Angela Merkel não vê necessidade de negociação sobre Brexit após acordo

Ontem, o Reino Unido aprovou o projeto de acordo com a União Europeia sobre o Brexit

Berlim – A chanceler alemã, Angela Merkel, afirmou nesta quinta-feira que não vê mais necessidade de negociar sobre o Brexit após Londres e Bruxelas alcançarem um princípio de acordo, ao mesmo tempo que expressou sua confiança no trabalho realizado pelo chefe negociador da União Europeia, Michel Barnier.

Em uma coletiva de imprensa após um conselho de ministros, Merkel ressaltou que “ambas as partes negociadoras foram embora com a sensação de que este é o acordo possível da saída” do Reino Unido da UE.

“Temos agora um documento sobre a mesa aprovado pelo Reino Unido e pela UE” através de Barnier, disse a chanceler, razão pela qual para ela não há necessidade de entabular nenhum tipo de negociação adicional.

Merkel lembrou que sobre a questão das futuras relações entre o Reino Unido e a UE “é preciso seguir trabalhando de maneira paralela”.

“O pior dos casos e o mais desordenado seria precisamente que não houvesse nenhum acordo, e essa alternativa é preciso levar em conta, mas temos agora uma base e espero que ela sirva para evitar o pior”, afirmou.

A chanceler expressou sua satisfação pela apresentação de um princípio de acordo pactuado pelos chefes negociadores após “longas e não muito fáceis negociações”.

“Agora temos que examinar até que ponto os Vinte e Sete podem apoiá-lo”, acrescentou a chanceler, que ressaltou sua “confiança absoluta” no trabalho de Barnier.

Nesse sentido, o trabalho pendente agora, indicou, é “analisar” e “discutir” o princípio de acordo com os responsáveis de cada país e nos respectivos parlamentos.

No entanto, o ministro de Finanças, Olaf Scholz, reiterou que segue lamentando a decisão de uma maioria dos britânicos de querer deixar a UE, mas mesmo assim, afirmou que a tarefa desde então é “achar um caminho ordenado para isso”.

Um “brexit” desordenado, disse, seria “terrível para as opções de desenvolvimento econômico do Reino Unido e “problemático” para toda Europa e a UE.

“Por isso é importante apostar até o último minuto por um acordo”, acrescentou.