Americanos gostam quando políticos usam palavras agradáveis

Estudo afirma que os índices de aprovação pública aumentam quando políticos são agradáveis e usam palavras que se concentram em ajudar os outros

Washington – Quando os políticos são agradáveis ​​e usam palavras que se concentram em ajudar os outros índices de aprovação pública aumentam – segundo um estudo publicado nesta segunda-feira.

Mas quando os líderes eleitos na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos pararam de reforçar a cooperação, a aprovação do governo cai, de acordo com uma pesquisa que analisou quase duas décadas e 124 milhões de palavras faladas durante os debates no Congresso.

“As palavras específicas cuja utilização levou mais fortemente a aprovação pública foram as seguintes: gentil, envolvem, educar, contribuir, afetados, dar, tolerar, confiança e cooperar”, mostrou o estudo realizado por pesquisadores canadenses e alemães e publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciência.

Os pesquisadores usaram um software para analisar 123.927.807 palavras ditas na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos entre 1996 e 2014.

O computador verificou marcadores linguísticos do que é conhecido como “linguagem pró-social”, ou seja, palavras que indicam uma preocupação com o bem-estar coletivo.

Em seguida, os pesquisadores compararam os níveis de linguagem pró-social dentro de cada mês do Congresso com os índices de aprovação por parte do público americano.

Eles descobriram “uma relação impressionante”, disse o estudo.

“A aprovação pública atingiu um pico no rescaldo dos ataques de 11 de setembro de 2001, diminuiu ao longo dos próximos sete anos, aumentou ligeiramente na esteira da crise financeira de 2008, e depois novamente caiu”, acrescentou.

“A linguagem pró-social seguiu uma trajetória quase idêntica”.

Queda dramática na aprovação

Em 2002, a aprovação pública do Congresso chegou a 84%. Mas em 2013, a aprovação pública atingiu o ponto baixo de todos os tempos, 10%, segundo informações do artigo.

A queda relativamente pequena no uso da linguagem pró-social – 20% entre 2002 e 2014 – foi associado com uma queda de 75% na aprovação pública.

Os pesquisadores disseram que os efeitos da linguagem permaneceram aparentes mesmo quando controlados pelo impacto do mundo e eventos nacionais.

“A linguagem pró-social, afetiva, ainda levou à aprovação pública ao remover os efeitos de fatores sociais e globais (por exemplo, 11 de setembro) e eficácia do Congresso (por exemplo, passagem de leis), sugerindo que a linguagem pró-social tem um efeito direto independente sobre a aprovação pública”, segundo o estudo.

Os pesquisadores disseram que a linguagem provocou a mudança do índice de aprovação, porque poderiam observar um lapso de tempo entre as mudanças nos tipos de palavras utilizadas e os índices de aprovação diferentes – tipicamente cerca de seis a sete meses mais tarde.

Em outras palavras, “o que o Congresso diz hoje afeta seus índices de aprovação até 29 semanas depois”, disse o estudo.

Os pesquisadores também analisaram o impacto das palavras amigáveis ​​na mídia e descobriram que quanto mais os políticos falavam palavras agradáveis, mais positiva era a abordagem dada pela imprensa.

“Nossos resultados sugerem que a linguagem pró-social no Congresso previu a cobertura da mídia positiva. E a cobertura da mídia positiva previu a aprovação pública”, disseram os pesquisadores.

Pesquisadores da Universidade de Winnipeg, Universidade de Vancouver, Universidade de Waterloo, Universidade de British Columbia e da Universidade de Manitoba assinaram o estudo, com os colegas da Universidade de Mannheim, na Alemanha.