Alemanha defende fronteiras para impedir “nacionalismos”

A chanceler, que realiza uma visita de dois dias à Itália e ao Vaticano, acredita que este é o maior "desafio para o futuro da Europa"

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse nesta quinta-feira, em Roma, que a União Europeia (UE) deve defender “suas fronteiras externas, do Mediterrâneo ao Polo Norte, porque, senão, veremos voltar os nacionalismos”, advertiu.

Merkel, que realiza uma visita de dois dias à Itália e ao Vaticano, acredita que este é o maior “desafio para o futuro da Europa”, durante uma coletiva de imprensa conjunta com o chefe do governo italiano, Matteo Renzi.

Os dois líderes também discutiram a crise migratória que agita a Europa e reconheceram que existe uma “forte convergência” sobre a necessidade de resolver o problema com enfoque nos “valores humanos e na dignidade”.

Renzi assegurou que a Itália e a Alemanha “estão em total acordo” em fornecer uma estratégia para África, de onde vem a maioria dos migrantes que chegam na Itália, e anunciou que vão trabalhar em conjunto “com a mesma filosofia” que inspirou o acordo entre a UE e a Turquia, a fim de impedir o fluxo constante de refugiados entre a Grécia e a Alemanha.

“Sobre os migrantes, considero importante a proposta italiana, chamada Migration Compact. Temos os mesmos princípios, mas ideias diferentes sobre os instrumentos para financiá-la”, salientou Merkel, rejeitando a proposta de criação de “Eurobonds” para financiar os países em desenvolvimento africanos.

Para Renzi, “devemos investir na África”. Ele lembrou que a Itália “é a favor de uma estratégia de longo prazo que favoreça o desenvolvimento e que leve trabalho (ao continente), e que deve ser liderada pela União Europeia”.

O primeiro-ministro italiano também condenou fortemente a decisão da Áustria de construir uma cerca ao longo de sua fronteira com a Itália, na chamada passagem de Brenner, para evitar a entrada de migrantes.

“Eu sou contra completamente. É uma decisão equivocada, absurda e injustificada”, afirmou Renzi, que a rejeitou por “ser contra a história”.

O anúncio da Áustria provocou reações iradas na Itália, onde estima-se que 26.000 migrantes chegaram desde o início do ano.

A Itália junto com a Grécia é um dos países da UE mais afetados pela crise migratória, a pior desde a Segunda Guerra Mundial.