Agente do FBI rejeita parcialidade contra Trump

Strzok disse que suas mensagens de texto para sua amante, a advogada do FBI Lisa Page, foram reação à "horrível e desagradável conduta" de Trump

O veterano agente do FBI Peter Strzok negou nesta quinta-feira as acusações de que foi parcial na investigação de conluio com a Rússia, e afirmou que os ataques de Donald Trump ao FBI e ao departamento de Justiça foram uma “vitória” para Vladimir Putin.

Em uma exaltada audiência no Congresso que terminou entre gritos, Strzok disse aos legisladores que seus comentários e mensagens de texto para sua amante, a advogada do FBI Lisa Page, foram uma reação à “horrível e desagradável conduta” de Trump na campanha de 2016.

Mas ao mesmo tempo negou que suas opiniões pessoais tivessem influenciado seu julgamento e advertiu aos comitês Judicial e de Supervisão que os ataques republicanos ao FBI e ao departamento de Justiça apenas servem para dividir os americanos.

“Esta investigação não tem motivações políticas, não é uma caça às bruxas e não é uma fraude”, disse Strzok sobre o processo para investigar a ingerência russa nas eleições presidenciais de 2016.

Trump chama Strzok e Page de “os amantes do FBI”, e utilizou mensagens trocadas entre os dois para acusar o Bureau Federal de Investigações de ser parcial, na tentativa de desprestigiar o processo que tenta determinar se existiu conluio entre a Rússia e a equipe de campanha de Trump para influenciar o resultado das eleições presidenciais de 2016.

Strzok, subchefe de contraespionagem do FBI, reafirmou que suas opiniões não influenciaram em seu trabalho nesta investigação e também em sua atuação no caso dos emails da então candidata democrata, Hillary Clinton, quando era secretária de Estado.

“Quero ser claro, sem equívocos e sob juramento afirmo: nunca nos 26 anos que tenho defendendo este país minhas opiniões pessoais tiveram impacto em qualquer decisão que tomei”.

“Mensagens na madrugada”

Milhares de mensagens de texto entre Strzok e Page, enviadas durante a relação amorosa que mantiveram entre 2015 e 2017, foram tornadas públicas e revelam comentários negativos sobre Trump antes e após sua eleição, em 2016.

Os republicanos utilizaram as mensagens para denunciar que a investigação sobre o conluio com a Rússia está viciada.

“Uma investigação imparcial não é um assunto republicano ou democrata, é um assunto americano”, disse o legislador republicano Trey Gowdy.

“É preciso entender que tudo isto que escrevi tarde da noite, de maneira informal, foi uma resposta a uma série de eventos que incluíam insultos de Trump a uma família de imigrantes que havia perdido um de seus membros na guerra”, declarou Strzok, sob aplausos.

O presidente do Comitê Judicial, Bob Goodlatte, acusou Strzok de desacato por não responder – seguindo as orientações dos advogados do FBI – algumas perguntas sobre a investigação de conluio com a Rússia.