Advogado denuncia maus tratos a suspeito de ajudar WikiLeaks

Bradley Manning, que teria entregue milhares de documentos confidenciais ao site de Assange, está sofrendo pressão psicológica, segundo seu defensor

Washington – O advogado que representa o soldado Bradley Manning, suspeito de entregar milhares de documentos confidenciais ao site WikiLeaks, denunciou que seu cliente foi vítima de maus tratos na prisão militar, informou nesta sexta-feira o jornal “The Washington Post”.

Segundo o advogado David E. Coombs, os comandantes da prisão na base Quantico do Corpo de Infantaria da Marinha, onde o soldado de 23 anos está preso, puseram Manning sob “observação por risco de suicídio” durante dois dias nesta semana “contrariando as recomendações do psiquiatra legista” da prisão.

“Durante este tempo Manning foi forçado a permanecer em sua cela durante o dia e a noite só de cueca e sem óculos, exceto na hora de assistir a televisão ou quando estava lendo”, declarou o advogado ao jornal.

Um relator especial das Nações Unidas sobre torturas apresentou ao Departamento de Estado um pedido formal de detalhes sobre o tratamento de Manning.

Coombs disse que o comandante da prisão militar James Averhart determinou que o soldado podia cometer suicídio.