Acusados de crime sexual ficam fora das Paralimpíadas

Segundo a "BBC", os acusados já estariam retornando à Jordânia

Londres – Os três integrantes da equipe paralímpica da Jordânia acusados de terem cometido crimes sexuais na Irlanda do Norte ficarão de fora dos Jogos Paralímpicos de Londres 2012, informou nesta quinta-feira o Comitê Organizador dos Jogos (Locog).

O Comitê Nacional paralímpico jordaniano também confirmou que os três envolvidos não estarão nos Jogos, que serão iniciados no próximo dia 29 na capital britânica. Segundo a “BBC”, os acusados já estariam retornando à Jordânia. No entanto, eles terão que retornar à Irlanda do Norte em Outubro para se reapresentarem ao tribunal.

Os acusados, dois levantadores de pesos em cadeira de rodas – um deles bronze em Pequim – e um treinador, compareceram ontem a um tribunal da Irlanda do Norte depois de terem sido presos na última terça. De acordo com a polícia local, todos estão envolvidos em supostos crimes sexuais cometidos entre o dia 16 e 20 de agosto.

Os dois atletas e o treinador estavam alojados na cidade de Antrim, próxima a capital Belfast, para finalizar a preparação para os Jogos.

Faisal Hammash, de 35 anos, enfrenta duas acusações por supostamente ter envolvido menores de idade em atividades sexuais; Omar Sami Qaradhi, de 31, é acusado de três crimes de agressão sexual e um de voyeurismo, enquanto Motaz Al Junadi, de 45 anos, enfrenta uma acusação de agressão sexual.

Devido ao escândalo, o rei Abdullah II da Jordânia, através de um representante de seu Governo, se comprometeu a fazer com que os três acusados reapareçam perante o juiz em outubro, já que os mesmos pagaram fiança e se encontram em liberdade.