Ação militar deixa ao menos 35 mortos no Sudão, diz comitê

Ao menos 100 pessoas ficaram feridas após ataque no acampamento de opositores na frente da sede do Exército

Mais de 35 manifestantes morreram e centenas ficaram feridos nesta segunda-feira na dispersão do acampamento diante do quartel-general do Exército em Cartum, anunciou o Comitê Central de Médicos Sudaneses.

“O número de pessoas mortas pela repressão do Conselho Militar diante da sede militar supera 35. Centenas de pessoas ficaram feridas”, afirmou o Comitê, uma organização próxima aos manifestantes, no balanço mais recente divulgado nesta terça-feira.

O acampamento foi criado em 6 de abril para exigir a renúncia do presidente Omar al Bashir, que foi destituído pelo exército em 11 de abril.

Os manifestantes, no entanto, prosseguiram com o protesto para exigir a transferência do poder aos civis.

Após a retirada dos manifestantes, o comandante do Conselho Militar de Transição, o general Abdel Fatah al Burhan, anulou os acordos com a oposição e anunciou a organização de eleições em um prazo de nove meses.

O conselho militar “decidiu cessar as negociações com a Aliança pela Liberdade e a Mudança (ALC), cancelar o que havia sido acordado e organizar eleições gerais dentro de nove meses”, afirmou Burhan em uma mensagem ao país.