A vez de May; Onda de otimismo…

A vez de May 

A atual ministra do Interior, Theresa May, será a nova premiê do Reino Unido. Após a desistência da concorrente, Andrea Leadsom, ministra de Energia, May foi confirmada na manhã desta segunda-feira como futura líder do Partido Conservador. Leadsom desistiu da disputa alegando que uma maratona de meses de campanha, neste momento, não seria benéfica à estabilidade do Reino Unido. Apesar de ter apoiado discretamente a permanência dos britânicos na União Europeia, May sempre foi a candidata favorita do partido. Em discurso logo após a confirmação da vitória, afirmou que não tentará impedir o Brexit e que fará dele “um sucesso”. O ainda premiê, David Cameron afirmou que deixará o cargo nesta quarta-feira 13, quando comunicará oficialmente a decisão à rainha Elizabeth II. O Reino Unido terá sua segunda premiê mulher 26 anos após o governo de Margaret Thatcher (1925-2013), que liderou o país de 1979 a 1990.

Ondas de otimismo

O anúncio de Theresa May como nova premiê trouxe resultados positivos para o mercado inglês. Depois de atingir sua menor cotação em 31 anos na sexta-feira 8, a libra subiu 0,8% e chegou a quase 1,30 dólar. O índice STOXX Europe 600, que mede a valorização de ações em diferentes países da Europa, fechou em alta de 1,6% – a maior desde o Brexit. O mercado também aguarda com expectativa a reunião do conselho do Banco da Inglaterra nesta quinta-feira 21 – especula-se que a instituição possa decidir sobre uma redução na taxa de juros do país.

Crescimento menor na UE

A Comissão Europeia diminuiu sua previsão de crescimento para a economia da Zona do Euro e do Reino Unido. A Comissão avalia que o PIB britânico terá queda entre 1 e 2,5% em 2017 – ante uma previsão de crescimento de até 1,9% feita antes da saída dos britânicos da UE. Já para o PIB da Zona do Euro, a expectativa é de um crescimento entre 0,2 a 0,5% menor no próximo ano. Também nesta segunda-feira, a chanceler alemã Angela Merkel afirmou que o governo britânico deve esclarecer rapidamente como pretende moldar sua futura relação com a União Europeia, e acrescentou que a Alemanha deseja que Londres continue sendo um parceiro importante do bloco.

Finalmente juntos?

O senador democrata Bernie Sanders fará pela primeira vez uma aparição pública ao lado da presidenciável Hillary Clinton, de acordo com nota do comitê de campanha da candidata. O evento acontece nesta terça-feira 12 numa escola na cidade de Portsmouth, em New Hampshire. Embora o texto do anúncio afirme que o encontro tem como meta reforçar o “compromisso para construir um país mais forte e uma economia que funcione para todos”, a expectativa é que Sanders anuncie, finalmente, seu apoio formal à Hillary.

O vice de Trump

Em entrevista publicada no jornal The Washington Post nesta segunda-feira, o presidenciável republicano, Donald Trump, afirmou que oficializará seu candidato a vice nos próximos dias. O magnata declarou que fará aparições públicas nesta semana com as cinco pessoas sendo consideradas para o posto – como o general aposentado Michael Flynn, a senadora por Iowa, Joni Ernst, e o governador de Nova Jersey, Chris Christie, com quem Trump fez campanha nesta tarde em Virgínia. Às vésperas da convenção republicana, que começa no próximo dia 18 de julho, uma ala do partido opositora à Trump estuda a possibilidade de forçar que o magnata aceite como vice algum nome escolhido pelo partido.

Mais uma multi fora 

A multinacional do setor de higiene pessoal Kimberly-Clark anunciou a suspensão de suas operações na Venezuela por tempo indeterminado. Fabricante de produtos como fraldas e papel higiênico, a Kimberly alega que se tornou “impossível” atuar no país devido a fatores como o rápido aumento da inflação e a deterioração das condições econômicas e de negócios. Neste ano, empresas como as fabricantes de alimentos Heinz, Coca-Cola e Kraft também decidiram  paralisar total ou parcialmente suas operações em território venezuelano.

Macri: economizem energia

Em meio a uma disputa judicial para permissão do aumento dos preços de gás e outros serviços básicos, o presidente Maurício Macri pediu nesta segunda-feira aos argentinos que “consumam o mínimo de energia necessária”. O presidente chegou a pedir que os cidadãos se agasalhem ao invés de usarem sistemas elétricos de aquecimento. Macri promoveu aumentos nos preços do setor argumentando que as tarifas estavam defasadas desde o governo da ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), mas consumidores, associações e pequenos empresários recorreram na justiça contra as altas.

Projeto “super secreto” na Tesla

O fundador da montadora Tesla, Eslon Musk, afirmou em sua conta no Twitter que vem trabalhando na “segunda parte” de um projeto “super secreto” para a montadora – que será revelado ainda nesta semana. Após o anúncio, as ações da Tesla subiram mais de 3% no dia, um alento depois de momentos difíceis nas últimas semanas – o anúncio de uma possível fusão com a SolarCity e a morte de um piloto durante teste em um carro automático da montadora causaram desconfiança por parte dos investidores.