A pressão sobe com o “plagiogate”

Sérgio Teixeira Jr., de Nova York

Jarrett Hill, que se apresenta como decorador de interiores e jornalista, fez uma postagem no Twitter na noite de ontem e deu origem a uma controvérsia que está roubando os holofotes do segundo dia da Convenção Nacional do Partido Republicana. Pouco mais de uma hora depois do discurso de Melania Trump, mulher de Trump e eventual primeira-dama dos Estados Unidos, Hill tuitou:

Melania roubou um parágrafo inteiro do discurso de Michelle.

O tweet também continha um trecho destacando frases do discurso de Michelle Obama na convenção democrata de 2008 que foram repetidas praticamente na íntegra por Melania na noite da segunda-feira. A apresentação da mulher de Trump, uma ex-modelo eslovena 24 anos mais jovem que o candidato, tinha o objetivo de apresentá-la nacionalmente aos eleitores e de aparar as arestas da imagem beligerante e descontrolada de seu marido. Menos de 12 horas depois, o conteúdo do seu discurso ficou em segundo plano. O que os americanos querem saber é se Melania Trump – ou os responsáveis por escrever o discurso – copiaram ipsis litteris o que a atual primeira-dama disse numa ocasião semelhante oito anos atrás.

Há passagens de fato muito parecidos nos dois discursos. Confira abaixo:

Michelle Obama, em 2008

Barack e eu fomos criados com muitos dos mesmos valores: que você dá duro pelo que quer na vida, que sua palavra é seu compromisso e que você faz o que diz que vai fazer; que você trata as pessoas com dignidade e respeito, mesmo que não as conheça e mesmo que não concorde com elas. E Barack e eu construímos nossas vidas guiados por esses princípios e os passamos adiante para a próxima geração. Porque queremos que nossas crianças – e todas as crianças neste país – saibam que o único limite para as alturas de suas conquistas é o alcance dos seus sonhos e sua disposição de trabalhar por eles.” 

Melania Trump, segunda à noite

“Desde muito cedo, meus pais me passaram o valor de que você dá duro pelo que quer na vida, que sua palavra é seu compromisso e que você faz o que diz e cumpre suas promessas, que você trata as pessoas com respeito. Eles me ensinaram e mostraram valores em suas vidas cotidianas. É uma lição que continuo passando para nosso filho. E temos de passar adiante essas lições para as muitas gerações seguintes. Porque queremos que nossas crianças neste país saibam que o único limite para suas conquistas é a força dos seus sonhos e sua disposição de trabalhar por eles.” 

O suposto plágio tornou-se o grande assunto da convenção, que vai até quinta-feira. Pela manhã, Paul Manafort, diretor da campanha de Trump, repudiou a ideia de que Melania Trump pudesse ter copiado o discurso da primeira-dama. Mais tarde, falando à CNN, ele afirmou que Melania sabia que “estava falando para 35 milhões de pessoas ontem à noite”e que “achar que ela roubaria as palavras de Michelle Obama é loucura”. Manafort atribui as acusações a uma manobra da campanha de Hillary Clinton.

Sean Spicer, estrategista-chefe do Comitê Nacional do Partido Republicano, defendeu o discurso dizendo que as palavras escolhidas são recorrentes. “Melania Trump disse: ‘A força de seus sonhos e sua disposição de trabalhar por eles’. Uma personagem de ‘Meu Pequeno Pônei’ disse: ‘Este é seu sonho. Tudo o que você consegue fazer nos seus sonhos você consegue fazer agora”, afirmou Spicer, também à CNN. Ele listou uma série de músicos cujas letras têm conteúdo semelhante, do cantor R&B John Legend ao roqueiro John Legend e o grupo de hip-hop Public Enemy.

Apesar das negativas veementes, o “plagiogate” deve continuar rendendo manchetes. Em entrevista ao popular apresentador de TV Matt Lauer, Melania havia dito que tinha escrito o discurso “com a menor ajuda possível”. Não está claro se algum integrante da equipe de Trump ou algum especialista em discursos foi contratado para ajudar a mulher do candidato. Mas sua aparição no palco em Cleveland já estava prevista havia semanas, e um descuido desse tipo é inaceitável dado o que está em jogo. Em 1988, um então jovem Joe Biden – hoje vice-presidente dos Estados Unidos – foi obrigado a abandonar as primárias democratas que escolheriam o candidato do partido à Presidência. Biden foi acusado de copiar trechos de discursos de Neil Kinnock, do Partido Trabalhista britânico.

Dois dos filhos de Trump, Tiffany e Donald Jr., falam hoje em Cleveland, e certamente os discursos vão receber atenção redobradas. O risco para a candidatura de Trump é que o conteúdo mais importante das mensagens – o tema de hoje é economia e emprego – seja mais uma vez ofuscado pelas controvérsias. Os analistas falam em erros não-forçados, uma expressão emprestada do tênis que definiria os tropeços da equipe de Trump nesta convenção. O fato é que o objetivo de unir os republicanos já não nada simples se tudo corresse de acordo com o roteiro. Com esse tipo de tiro no pé, então, nem se fala.