A dois meses da Copa, Rússia ainda precisa inaugurar 5 estádios

ÀS SETE - Neste domingo, dois já serão apresentados ao público, mas ainda restam três, que atrasaram devido à intensidade do inverno no hemisfério norte

A Rússia inaugura neste domingo mais dois estádios para a Copa do Mundo de 2018, a pouco mais de dois meses para o evento, que se inicia no dia 14 de junho.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Os estádios da vez são nas cidades de Nizhny Novgorod e Rostov-on-Don, que receberá a estreia da seleção brasileira, no dia 17 contra a Suíça.

Apesar do prazo apertado, ainda restam três estádios para inaugurar: mais dois no próximo dia 21, em Saransk e Volgogrado, e um último, em Samara, no dia 28.

O inverno no hemisfério norte atrapalhou as obras e os testes do estádio, atrasando as entregas. As temperaturas negativas poderiam causar muitos danos aos gramados novos, além de dificultar o acesso dos torcedores, o que tornaria mais difícil medir com precisão a logística interna e de transporte.

A Copa da Rússia corre um sério risco de deixar um legado semelhante ao que tivemos por aqui e ao que a África encarou em 2010. Preocupado com a ociosidade dos estádios após a Copa, o governo de Vladimir Putin já liberou 190 milhões de dólares de dinheiro federal para um “programa de legado”, que deve ter 265 milhões em investimentos totais.

O objetivo é subsidiar o funcionamento dos estádios nos próximos anos, enquanto as ligas de futebol locais ganham adeptos e se estabelecem. Ou seja: numa lógica torta, vai gastar ainda mais do que já gastou para tentar evitar que o dinheiro investido seja desperdiçado. 

O problema: os principais times em Volgogrado, Kaliningrado, Nizhny Novgorod e Samara todos estão na segunda divisão do Campeonato Russo e jogos em casa na última temporada tiveram públicos entre 1.000 e 5.000 torcedores.

Em Saransk, o time da cidade está na terceira divisão, e em Sochi sequer há uma equipe profissional. Mesmo cidades como Yekaterimburgo e Rostov, cujos times estão na primeira divisão, o público pagante nos estádios não passa de 9.000 pessoas por jogo. 

Com estádios muito grandes, o custo de operação da arena sobe muito e muitas vezes torna-se inviável para os times e para a cidade. É o caso do Estádio Nacional, em Brasília. Uma das mais caras da Copa do Brasil, a arena ficou praticamente ociosa após o fim do evento, recebendo shows, jogos eventuais e até abrigou escritórios do governo — além de a Polícia Federal ter prendido os ex-governadores do Distrito Federal Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR) por envolvimento num suposto esquema que desviava recursos da obra. Hoje, luta-se para a privatização da arena. 

Lá, como aqui, o excesso de ambição e a falta de planejamento vão cobrar seu preço.