5 mil iraquianos fugiram de Mossul para a Síria, diz Acnur

O porta-voz do Acnur na Síria indicou o organismo está colaborando com ONGs locais para proporcionar ajuda humanitária a estes refugiados

Beirute – Ao todo, 5.846 refugiados iraquianos vindos de Mossul, reduto do grupo terrorista Estado Islâmico (EI) no Iraque, fugiram desde maio à cidade síria de Al Hul, perto da fronteira e controlada pelas forças curdas, disse nesta quarta-feira à Agência Efe o porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) na Síria, Firas Al-khateeb.

“Famílias iraquianas estiveram chegando desde maio ao campo de Al Hul, a 14 quilômetros da fronteira com o Iraque, de forma contínua e após o anúncio da ofensiva em Mossul”, disse ele.

De acordo com Al-khateeb, um total de 1.516 famílias iraquianas – somando as 5.846 pessoas – chegaram a Al Hul desde princípios do mês passado. De todos esses deslocados, 1.211 famílias (4.718 pessoas) permanecem em Al Hul e as demais procuraram outras áreas.

Al-khateeb destacou que os deslocados em Al Hul “vivem em circunstâncias desesperadoras, muitos sofrem doenças coronárias, diabetes e hipertensão”.

Além disso, muitos sofrem com problemas dermatológicos como leishmaniose, uma doença que provoca úlceras cutâneas, que é transmitida através de mosquitos, e outros males originados pelo intenso calor e a poeira ao qual estiveram expostos durante sua travessia até Síria.

O porta-voz do Acnur na Síria indicou o organismo está colaborando com ONGs locais para proporcionar ajuda humanitária a estes refugiados, “a maioria deles sem casa adequada ou atendimento médico”.

Ele ressaltou que até agora foram entregues tendas de campanha e colchões, entre outros artigos, e que a equipe está trabalhando para oferecer atendimento médico.

Al Hul foi tomada pelas Forças da Síria Democrática (FSD), uma coalizão armada curdo-árabe, em novembro após expulsar ao EI dessa área.