17 pessoas ficam feridas ao impedirem parada gay na Geórgia

Desde o começo da manhã, opositores da parada gay começaram a se reunir no centro da cidade para impedir a parada

Tbilisi – Pelo menos 17 pessoas ficaram feridas nesta sexta-feira no centro de Tbilisi depois que milhares de georgianos se reuniram no centro da cidade para impedir a realização de uma parada gay contra a homofobia, cujos participantes tiveram que ser retirados pela Polícia, segundo constatou a Agência Efe.

Doze pessoas foram internadas em hospitais com ferimentos variados, informou o Ministério do Interior da república caucásia.

Desde o começo da manhã, opositores da parada gay começaram a se reunir nos acessos de uma avenida central, onde as autoridades desdobraram um grande dispositivo policial para garantir a segurança da manifestação contra a homofobia.

No entanto, aos gritos ‘Geórgia, Geórgia!’ milhares de pessoas romperam os cordões policiais e tomaram a rua.

Alguns manifestantes levavam ramos de urtigas, com os quais aparentemente pretendiam bater nos participantes da marcha.

Diante desta situação, a Polícia retirou de ônibus as poucas dezenas de pessoas que tinham respondido à convocação da parada gay.

Os manifestantes jogaram pedras e ovos contra os ônibus policiais, mas a atuação das forças antidistúrbios impediu que os incidentes fossem maiores.

A Igreja Ortodoxa Georgiana, com grande influência no país, tinha feito um apelo para se proibir a parada gay, mas as autoridades de Tbilisi disseram que todos os cidadãos têm direito a se expressar e que sua obrigação é garantir o cumprimento do mesmo.

‘São conhecidos os ânimos de nossa sociedade, em geral opostos a este tipo de reunião. Os cidadãos entendem isso como uma agressão aos direitos da maioria e um insulto a suas tradições, religião e normas de pensamento generalizado’, segundo uma declaração do patriarca da Igreja georgiana, Ilia II.