Japão: entre a difícil reconstrução e o medo de uma tragédia nuclear

Mal enterra seus mortos e começa sua reconstrução, o país ainda é assombrado pelo medo de uma catástrofe nuclear. Em imagens, as duas semanas depois do abalo

São Paulo – Duas semanas se passaram desde que um terremoto, seguido de tsunami, atingiu o Japão. O número de vítimas, entre desaparecidos e mortos, chega a 27.400. Mal enterra seus mortos e começa sua reconstrução – em muitos lugares, a partir do nada – o país emprega todos seus esforços para solucionar uma crise nuclear. A situação na usina de Fukushima segue instável, diz o premiê Naoto Kannesta.

No cenário atual, incertezas só servem para alimentar mais e mais o medo da população. Nos últimos dias, a radiação que escapou dos reatores nipônicos contaminou produtos agrícolas,  água e até o leite. Nem o principal alimento japonês, o peixe, saiu ileso dos altos níveis de iodo radioativo no mar.  As filas extensas nos supermercados todas as manhãs já se tornaram comuns, assim como a visão cotidiana de prateleiras, umas sobre as outras, vazias. Milhares de crianças, adultos, idosos e  famílias inteiras que perderam tudo no desastre encontram amparo e um teto temporário em abrigos, que distribuem comida, medicamentos e agasalhos.

Além da apreensão diária, eles também enfrentam um frio severo, que chega a 5º C na cidade de Tóquio. As vítimas da tragédia impressionam pelo senso de organização, disciplina e obstinação – seja para seguir orientações, reconstruir suas casas e superar tragédias. Enquanto o país tenta se reerguer do abalo sísmico, sedar a dor e solucionar Fukushima, o mundo questiona a segurança das usinas nucleares. Será que precisamos mesmo delas? Os dias são de dúvidas.