Vale tem dia de queda mesmo com lucro bilionário

Na mínima do dia, os papéis chegaram a recuar 1,92%, a 46,42 reais. No mês, acumulam ganhos em torno de 12%

São Paulo — As ações da Vale caem nesta quarta-feira na Bolsa, mesmo após a empresa divulgar um aumento de 61% no lucro líquido no quarto trimestre do ano passado, em comparação com o mesmo período de 2016.

Na mínima do dia, os papéis chegaram a recuar 1,92%, a 46,42 reais. No mês, acumulam ganhos em torno de 12%.

Nos três últimos meses de 2017, o lucro líquido da empresa foi de 2,5 bilhões de reais, segundo dados publicados ontem pela maior produtora global de minério de ferro.

Os resultados financeiros no quarto trimestre mais que dobraram para 4,169 bilhões de reais, ante 2,048 bilhões de reais no último trimestre de 2016, enquanto os custos registraram alta no mesmo período.

Os custos dos produtos vendidos e serviços prestados, segundo a Vale, somaram 18,8 bilhões de reais no quarto trimestre, ante 16,9 bilhões de reais um ano antes.

No entanto, o lucro líquido do quarto trimestre na comparação com o terceiro trimestre registrou um recuo de 64,5%, em meio a preços mais baixos do seu principal produto.

Os preços realizados de finos de minério de ferro recuaram para 63,10 dólares por tonelada no quarto trimestre, ante 67,17 dólares no terceiro trimestre e 69,40 dólares no mesmo período do ano anterior.

Já a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda ajustado) nos últimos três meses de 2017 somou de 13,385 bilhões de reais, queda de 14,34% na comparação anual e uma alta de 1% versus o terceiro trimestre.

A receita líquida operacional no quarto trimestre somou 29,8 bilhões de reais, queda de 2,7% na comparação anual.

Dividendos

O Conselho de Administração aprovou em dezembro de 2017 a distribuição de 2,2 bilhões de reais complementados por 2,5 bilhões de reais aprovados em fevereiro de 2018, ambos a serem pagos em março de 2018 sob a forma de juros sobre o capital próprio, o que equivale ao pagamento mínimo estabelecido pelo estatuto da Vale.

A decisão de pagar o mínimo requerido, segundo a Vale, é uma medida de disciplina e cautela até que se concretize a desalavancagem da companhia, quando a mesma estará preparada para adotar uma política de dividendos “mais agressiva”. Uma nova política de dividendos está em discussão e será anunciada até o fim de março.

“A nova política de dividendos será mais robusta, sustentável, fácil de estimar e gerará retornos expressivos para os acionistas da Vale nos próximos anos”, afirmou a empresa.