Um mortífero vírus chinês é a nova ameaça às bolsas

Nesta terça-feira, a possibilidade de uma nova epidemia do vírus SARS, na China, foi o assunto do dia nas mesas asiáticas

São Paulo — Esta terça-feira deve trazer mais uma oportunidade para um duelo que, segundo analistas e investidores, deve dar o tom da bolsa brasileira em 2020: o otimismo interno contra as tensões externas.

O Ibovespa fechou esta segunda-feira 20 com uma alta de 0,32%, atingindo uma nova máxima histórica de 118.861 pontos, com volume negociado de 28.469 bilhões de reais. Mas o dólar comercial também bateu recorde, fechando em sua maior alta desde 4 de dezembro do último ano, em 4,18 reais.

É a concretização de declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o novo normal para a economia brasileira é a combinação de juro baixo e dólar mais alto. O país, como se sabe, historicamente atraiu capital estrangeiro que buscava retorno nas elevadas taxas de juros brasileiras. Era o prêmio que compensava o risco. O prêmio foi reduzido; falta, agora, os estrangeiros acreditarem que o risco também caiu.

Veja também

Ano passado estrangeiros tiraram 8,5 bilhões de reais da bolsa brasileira. Em contrapartida, houve maior protagonismo de investidores locais, que atingiram 1,7 milhão de pessoas, quase o dobro de 2018. O avanço interno deve continuar, como mostra a edição 2020 de Onde Investir de EXAME, nas bancas e nas versões digitais. O desafio é atrair dinheiro de fora.

Para isso, é preciso não só que o Brasil faça a lição de casa, com o avanço das reformas administrativa e tributária (e a redução de episódios como a recente citação nazista do ministro da cultura, por exemplo). Mas é também importante que a percepção de risco global caia. O ano de 2020 será de eleições nos Estados Unidos e de desdobramentos do Brexit. Mas há uma enxurrada de episódios fora do radar com potencial destrutivo, a começar pelas ameaças militares entre EUA e Irã.

Nesta terça-feira, a possibilidade de uma nova epidemia do vírus SARS (ou coronavírus), na China, foi o assunto do dia nas mesas asiáticas. A última vez que o SARS atacou em larga escala foi 2003. Agora, já fez três vítimas fatais, e tem dezenas de casos suspeitos de uma forte pneumonia. O temor é de um contágio em massa no ano novo chinês, quando centenas de milhares de pessoas viajam para suas cidades, no próximo fim de semana. Hong Kong caiu 2,8% nesta terça-feira; Xangai, 1,4%; Tóquio, 0,91%.