TJLP em mínima histórica sinaliza novos cortes da Selic

A Taxa de Juros de Longo Prazo sinaliza novas reduções na taxa básica de juros pelo Banco Central pela primeira vez em três anos

São Paulo – A decisão do governo de reduzir a Taxa de Juros de Longo Prazo, praticada nos empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, pela primeira vez em três anos anos sinaliza novas reduções na taxa básica de juros pelo Banco Central.

O BNDES vai cortar a TJLP em 0,5 ponto percentual, para 5,5 por cento ao ano, disse o ministro da Fazenda, Guido Mantega, a jornalistas ontem em Brasília. A taxa dos contratos de juros futuros com vencimento em abril de 2013 caíram 1 ponto-base, para 7,59 por cento, indicando que operadores esperam que o Comitê de Política Monetária do BC, capitaneado pelo presidente Alexandre Tombini, corte a Selic para 7,75 por cento até agosto, dos 8,5 por cento atuais.

O Copom já cortou a Selic em 4 pontos percentuais desde agosto, a maior redução entre os países do Grupo dos 20, para estimular a economia. A diferença entre a taxa overnight do contrato de Depósito Interfinanceiro e a TJLP caiu para 2,5 pontos percentuais, a menor diferença da história, antes do corte anunciado ontem.

“O anúncio do ministro da Fazenda do corte da TJLP é um sinal de que a Selic vai cair”, disse Carlos Thadeu de Freitas Gomes, ex-diretor do BC e atualmente economista-chefe da Confederação Nacional do Comércio, em entrevista por telefone do Rio de Janeiro. “Não há dúvidas” de que a redução da TJLP reforça as expectativas de que o BC vá reduzir a Selic para 7,5 por cento, disse ele.

Diante dos cortes no juro básico para proteger a economia da crise de dívida na Europa, o rendimento das Notas do Tesouro Nacional da série F com vencimento em 2021 desabou 147 pontos- base desde agosto para 9,94 por cento, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

“Mais amigável”

A redução da TJLP vai afetar R$ 480 bilhões em empréstimos do BNDES, informou Mantega. Estados como Rio de Janeiro devem receber US$ 9,8 bilhões em créditos atrelados à taxa, como parte da iniciativa do governo para financiar projetos de infraestrutura antes da Copa do Mundo em 2014 e das Olimpíadas em 2016.

A queda na Selic levou o governo a baixar a taxa para os empréstimos subsidiados, disse Mauricio Rosal, economista-chefe da Raymond James Brasil.

“Os empréstimos do BNDES continuarão a ser mais amigáveis” do que outros empréstimos bancários, afirmou Rosal em entrevista por telefone de São Paulo.


Um porta-voz do BNDES se recusou a fazer comentários para esta reportagem. O BC também preferiu não comentar.

O governo também elevou em R$ 6,6 bilhões o total destinado à compra de ônibus, tratores, caminhões e outros equipamentos, como parte do esforço para estimular o crescimento, disse Mantega. Segundo o ministro, a economia vai se expandir mais de 2,5 por cento este ano, após crescer 2,7 por cento no ano passado e 7,5 por cento em 2010.

“Reduzir o espaço”

Para Luciano Rostagno, estrategista do Banco WestLB do Brasil SA, a redução da taxa para empréstimos subsidiados pode substituir cortes mais profundos no juro básico.

“Não acho que o corte na TJLP signifique um corte na Selic”, disse Rostagno em entrevista por telefone. “Ela pode reduzir o espaço para uma Selic menor.”

O governo baixou a TJLP um mês após a Presidente Dilma Rousseff mudar regras para a poupança que existiam há 150 anos, o que também alimentou especulações de que o governo estaria criando espaço para redução de juros pelo BC.

“Se você corta a TJLP e muda as regras da caderneta de poupança, isso significa que está se preparando para juros menores”, disse Jankiel Santos, economista-chefe do Banco Espírito Santo de Investimento, em entrevista por telefone de São Paulo.