Temor por Europa derruba bolsas; dólar cai com fluxo

São Paulo – As preocupações com a Europa voltavam a golpear os mercados financeiros mundiais nesta quarta-feira, em meio a temores sobre os custos de recapitalização de bancos e de refinanciamento da dívida de países da zona do euro.

Investidores repercutiam a notícia de que o UniCredit , maior banco da Itália em ativos, lançou uma oferta de ações de 7,5 bilhões de euros (9,8 bilhões de dólares) com um desconto de 43 por cento. As ações do banco despencaram cerca de 14 por cento, pressionando o principal índice de ações da Europa , que caiu 0,6 por cento, segundo dados preliminares. A oferta “indica a dificuldade de elevar capital sob as novas exigências” e aumenta as preocupações de um novo contágio, disse o analista da OptionMonster.com Bryan McCormick, em Chicago.

Dados mostrando que as encomendas à indústria norte-americana tiveram sólida alta em novembro, mas insuficientes para reverter o mau humor do mercado. As encomendas aumentaram 1,8 por cento, maior alta desde julho e revertendo dois meses consecutivos de declínio, com um salto na demanda por equipamentos de transporte. O gasto com capital, no entanto, recuou.

As bolsas de valores em Nova York operavam com baixa em torno de 0,3 por cento.

No Brasil, o Ibovespa sofria um movimento de realização de lucros e caía, ditado sobretudo pelas ações dos setores de petróleo e mineração. O dólar ampliava a queda da véspera, em meio a perspectivas de entradas de recursos. O Banco Central (BC) divulgou nesta tarde que o país fechou 2011 com superávit cambial de 65,279 bilhões de dólares, o segundo maior da série histórica.

Ainda na agenda interna, o Brasil concluiu a emissão soberana de 825 milhões de dólares com a reabertura do Global 2021. A operação serve de referência para emissões de empresas, como a Vale, que anunciou a intenção de emitir bônus com vencimento em 2022. Os juros futuros ajustavam para cima, após recentes números indicando inflação ainda pressionada levarem investidores a reavaliarem apostas sobre o atual ciclo de afrouxamento monetário.

Mais cedo, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicos (Fipe) divulgou que seu Índice de Preços ao Consumidor (IPC) subiu 0,61 por cento em dezembro, acelerando ante a taxa de 0,60 por cento em novembro.


Veja como estavam os principais mercados às 15h04 desta quarta-feira:

CÂMBIO – O dólar era cotado a 1,8214 real, em queda de 0,57 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA – O Ibovespa caía 0,33 por cento, para 59.069 pontos. O volume financeiro na bolsa era de 2,8 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS – O índice dos principais ADRs brasileiros subia 0,71 por cento, a 30.479 pontos.

JUROS – Os contratos de DI exibiam alta, com o DI janeiro de 2013 em 10,120 por cento ao ano ante 10,040 por cento no ajuste anterior.

EURO – A moeda comum europeia era cotada a 1,2932 dólar, ante 1,3050 dólar no fechamento anterior.

GLOBAL 40 – O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, caía para 132,500 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 1,673 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS – O risco Brasil caía 4 pontos, para 212 pontos-básicos. O EMBI+ cedia 1 ponto, a 367 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA – O índice Dow Jones caía 0,01 por cento, a 12.396 pontos, o S&P 500 tinha baixa de 0,10 por cento, a 1.275 pontos, e o Nasdaq registrava variação negativa de 0,10 por cento, aos 2.646 pontos.

PETRÓLEO – Na Nymex, o contrato de petróleo mais curto recuava0,31 dólar, ou 0,30 por cento, a 102,66 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS – O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, caía, oferecendo rendimento de 1,9911 por cento ante 1,956 por cento no fechamento anterior.