Suzano dispara 23% e Fibria desaba 9% após fusão

Os acionistas da Fibria receberão 52,50 reais por cada ação ordinária, corrigido pela variação do CDI

São Paulo – As ações da Suzano abriram o pregão em alta de 23% na manhã desta sexta-feira. Já a Fibria abriu em queda de 9%. Os papéis eram negociados na casa dos R$ 28,97 e R$ 65,50 respectivamente.

Ontem, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) aprovou a compra da Fibria pela Suzano. A operação, segundo comunicado divulgado pelo coordenada pelo BNDESPar, banco de fomento que detém participação nas duas companhias.

O BNDES receberá cerca de 8,5 bilhões de reais e o recebimento de ações da companhia resultante.

Em fato relevante divulgado hoje, a Fibria divulgou que as companhias passarão por uma reorganização societária que resultará na titularidade, pela Suzano, da totalidade das ações de emissão da Fibria.

Além disso, os acionistas da Fibria receberão 52,50 reais por cada ação ordinária, corrigido pela variação do CDI desde 16 de março de 2018 até a data do pagamento, a ser realizado em uma única parcela na data da consumação da Operação.

Já os detentores de ADRs (American Depositary Receipts) lastreados em ações de emissão da Fibria farão jus ao recebimento de ADRs da Suzano, observada a mesma Relação de Troca.

Uma vez consumada a Operação, as ações e os ADRs de emissão da Fibria deixarão de ser negociados na B3 e na NYSE, respectivamente.

Multa e acordo de exclusividade

Caso a Suzano desista da operação, terá que pagar uma multa de 750 milhões de reais.

Além disso, as companhias firmaram um acordo de exclusividade, ou seja, os acionistas controladores da Fibria não poderão negociar ou de qualquer outra forma manter entendimentos terceiro com a finalidade de efetuar qualquer negócio igual ou similar à operação ou que possa afetar ou frustrar a implementação da Operação.

Atualmente, o valor de mercado da Fibria é de 39,74 bilhões de reais e a Suzano de 26,53 bilhões, conforme os dados divulgados pela B3 na noite de ontem.