SulAmérica vira a mais barata e abre espaço para valorização

A seguradora de saúde carioca é negociada a 12 vezes sua estimativa de lucro anual, segundo dados

São Paulo – A SulAmérica SA, terceira maior seguradora de saúde do país por vendas, é hoje a mais barata do setor. Isso sinaliza espaço para valorização, com a demanda por planos de saúde sendo impulsionada com o aumento da renda e do emprego.

A seguradora carioca, cujo bloco de controle inclui o ING Groep NV, é negociada a 12 vezes sua estimativa de lucro anual, segundo dados compilados pela Bloomberg. Isso se compara a um múltiplo de 38 vezes para a Amil Participações SA, 32 para a Odontoprev SA e 15 para a Tempo Participações SA.

A aquisição de US$ 4,9 bilhões da Amil pela UnitedHealth Group Inc., maior do setor nos EUA, “mostra grande apetite estrangeiro por seguradoras de saúde no Brasil”, escreveu o analista Eduardo Nishio, da Brasil Plural, em relatório ontem. A SulAmérica, que está se concentrando mais em planos de saúde e menos em seguros de automóveis e imóveis para impulsionar lucros, vai se beneficiar da escassez de empresas do setor com capital aberto na bolsa brasileira, disse ele em entrevista.

“O preço que a UnitedHealth pagou pela Amil baliza o retorno do setor”, disse Rodolfo Amstalden, analista da consultoria Empiricus Research, em entrevista por telefone de São Paulo. “As perspectivas de crescimento para saúde e odonto são bastante favoráveis. No terceiro trimestre, a SulAmérica, com prêmios de R$ 1,92 bilhão em saúde, teve um crescimento significativo. Olhando para os próximos anos, continua forte.”

Victorina de Boer, porta-voz do ING, se recusou a comentar por e-mail. A SulAmérica não respondeu e-mails e telefonemas em busca de comentários.