Sonegação pode custar quase US$ 2,5 bilhões ao Credit Suisse

Autoridades investigam se executivos do banco teriam ajudado clientes americanos na sonegação de impostos nos Estados Unidos

São Paulo – O Credit Suisse pode ter de pagar quase 2,5 bilhões de dólares para encerrar as investigações em torno da suspeita de que executivos do banco teriam ajudado clientes americanos na sonegação de impostos.

O montante seria dividido em 1,7 bilhão de dólares para o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e em outros 700 milhões para reguladores do mercado, afirmaram ao The Wall Street Journal fontes próximas das negociações.

De acordo com estas pessoas, o acordo – que ainda está em discussão – prevê que o banco se declare culpado, pague 100 milhões de dólares ao Federal Reserve e 600 milhões de dólares ao Departamento de Serviços Financeiros do Estado de Nova York. O desfecho do caso pode acontecer já na próxima semana.

O Credit Suisse já realizou uma provisão de 1,02 bilhão de dólares para pagar potenciais condenações para os Estados Unidos em relação ao assunto.

Em fevereiro, o Credit Suisse concordou em pagar 196 milhões de dólares para revolver um caso semelhante da SEC (Securities and Exchange Comission) – a CVM americana -, que acusou o banco suíço de oferecer corretagem e consultoria para clientes norte-americanos sem ter registro na SEC.