Socopa reduz a menos da metade previsão de ganhos com ações da Duratex

Apesar do menor potencial de valorização, corretora mantém a recomendação de compra para os papéis

O aumento da concorrência no setor de painéis de madeira levou a corretora Socopa a revisar para baixo suas previsões para as ações da Duratex (DURA4).  O potencial de valorização dos papéis, que era de 136,6% por ação até o final do ano, caiu para 57,4%. Assim, o preço estimado do papel em dezembro de 2008 passou de 63,90 reais para 42,50 reais.

Na avaliação da Socopa, haverá um aumento expressivo na oferta a partir do próximo ano, fruto dos investimentos promovidos pelas companhias do setor. Todo esse material poderá não ser absorvido pelo mercado, “a não ser via redução de preços e conseqüente diluição da rentabilidade das empresas”, destaca a instituição em relatório.

A companhia sofre, ainda, com as oscilações do preço do petróleo no mercado internacional, já que resina é uma de suas principais matérias-primas, representando 30% dos custos. “Sendo assim, a margem bruta não deverá apresentar nítida recuperação até meados de 2010, quando as fábricas de resina em Agudos e em Itapetininga estiverem concluídas. Após 2010, 100% da resina necessária será produzida”, explica a corretora.

A desaceleração da inflação, entretanto, traz ânimo para o setor. Com a estabilidade dos juros – ou até mesmo redução – aguardada para o próximo ano, a expectativa é de crescimento da construção civil, impulsionando os negócios da Duratex. A empresa, segundo a Socopa, deve contar, ainda, com bons resultados nos próximos meses devido ao grande número de empreendimentos lançados em 2007 e 2008, que entrarão em breve na fase de acabamento.

Brascan

A Socopa não é a primeira corretora a reduzir projeções para as ações da Duratex. Na última sexta-feira (29/8), a corretora Brascan rebaixou preço justo das ações da companhia de 61,68 reais para 51,80 reais.

O que motivou a redução foi a avaliação de que a empresa não apresentará “recuperação expressiva dos resultados (…) no segundo semestre deste ano e no ano de 2009”. O preço justo é calculado com base nas expectativas de geração de receitas e de lucros. Para determiná-lo, os analistas tentam projetar os resultados da companhia pelo maior prazo possível – em geral, três ou quatro anos.

Assim como a Socopa, a Brascan demonstrou preocupação com a possível alta dos custos de produção da divisão de artigos de madeira da Duratex. O aumento dos insumos pressiona as margens desse segmento desde o quatro trimestre do ano passado e a corretora avalia que não há espaço para o repasse dos custos aos clientes.