Siderúrgicas disparam; Dólar cai…

Commodities ajudam bolsa

O Ibovespa subiu 1,54%% nesta terça-feira. A alta é atribuída, principalmente, a um cenário externo favorável. O preço do petróleo voltou a subir e o minério de ferro fechou o dia com alta de 4%. As ações preferenciais da Vale subiram 8,7%. Do lado negativo, os papéis da fabricante de aviões Embraer caíram 2,7% em um dia de queda do dólar.

_

Siderúrgicas disparam

As siderúrgicas dispararam na bolsa nesta terça-feira. As ações preferenciais da Usiminas subiram 10%. Os papéis ordinários da CSN e os preferenciais da Gerdau tiveram alta de 9%. Nesta terça-feira, o presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço, Carlos Loureiro, disse que as produtoras de aço plano do Brasil estão avisando que promoverão uma nova rodada de aumento de preços no começo de maio. “A ArcelorMittal já comunicou distribuidores sobre o reajuste de 12% nos preços de maio e CSN e Usiminas devem aumentar acima de 10%”, disse Loureiro.

_

Dólar cai

O dólar caiu 1,9% nesta terça-feira e fechou o dia em 3,53 reais. É a primeira vez, em quase duas semanas, que o Banco Central não anuncia nenhum leilão de swap cambial reverso e não interfere na moeda.

_

120 bilhões de déficit

O déficit do governo federal em 2017 pode ser ainda maior do que o apresentado por ministros na última sexta-feira. O déficit previsto foi de 54,68 bilhões de reais, mas pode chegar a 119,6 bilhões. Isso porque o governo aposta em dois fatores incertos para incrementar a arrecadação — o corte no orçamento do Programa de Aceleração do Crescimento e a recriação da CPMF.

_

Arrecadação federal

Em março, o governo arrecadou 95,7 bilhões de reais. A quantia representa uma queda de quase 7% em relação a março de 2015 e é a menor arrecadação para o mês em cinco anos. No primeiro trimestre, a arrecadação federal foi de 313 bilhões de reais, uma queda de 8,19% na comparação anual. Entre os fatores, a Receita destaca o recuo de 11,8% na produção industrial no primeiro trimestre, a redução de 10,47% na venda de bens e serviços e a contração de 33,62% no valor em dólar das importações.