Ser Educacional confirma cancelamento de oferta de ações

A companhia afirma que o Conselho de Administração definiu que o preço que seria fixado não refletiria a "perspectiva de rentabilidade futura" da empresa

São Paulo – A Ser Educacional confirmou o cancelamento da oferta pública primária de ações, com esforços restritos, conforme antecipou mais cedo o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Em Fato Relevante, a companhia afirma que o Conselho de Administração, apesar de ter apurado demanda suficiente pelas ações, definiu que o preço que seria fixado não refletiria a “perspectiva de rentabilidade futura” da empresa.

Os pedidos de subscrição prioritárias que foram recebidos até hoje serão cancelados. Já o acionista já tenha efetuado o pagamento, os valores serão devolvidos sem juros ou correção monetária, sem reembolso de custos e com dedução de eventuais tributos devidos.

O prazo para devolução dos recursos é de três dias úteis.

Nesta terça-feira, 23, a Coluna do Broadcast já havia antecipado que o preço deveria ficar entre R$ 21,00 e R$ 20,00 e que a demanda era fraca, sinalizando um possível cancelamento.

A Ser Educacional esperava concretizar a oferta com preço próximo ao do fechamento das ações no dia anterior ao anúncio da captação, de cerca de R$ 25,50, movimentando um total de mais de R$ 400 milhões.

A oferta da Ser é a primeira a ser cancelada após a onda de volatilidade que se instalou no Brasil com as delações da JBS, atingindo em cheio o presidente Michel Temer.

Há dois dias, a BRMalls captou R$ 1,730 bilhão com oferta subsequente de ações, para a qual atraiu demanda de mais de R$ 3 bilhões.

No caso da empresa de shoppings, as ações foram precificadas 11,5% abaixo dos R$ 12,43 em que eram negociadas no dia 8 de maio, anterior ao anúncio da oferta.

Uma fonte lembra ainda que a Ser não precisava de recursos no curto prazo. A oferta foi coordenada pelo Credit Suisse na posição de líder, Bank of America Merrill Lynch, JPMorgan e Santander.