S&P reduz nota da dívida grega a ‘default seletivo’

Este termo é usado quando se acredita que o tomador de recursos conseguirá arcar com apenas parte de suas obrigações

A agência de classificação de risco Standard & Poor’s reduziu a nota da dívida da Grécia a “default seletivo” nesta quarta-feira, alegando as possíveis repercussões para o país do lançamento de uma operação de recompra da dívida.

Este termo é usado quando se acredita que o tomador de recursos conseguirá arcar com apenas parte de suas obrigações.

A agência grega de gestão da dívida (PDMA) iniciou no dia 3 de dezembro a delicada operação de recompra de uma parte de seus títulos soberanos nas mãos de investidores privados, como acordado com a UE e o FMI, seus principais credores.

Os detentores de títulos da dívida grega afetados têm até 7 de dezembro para participar desta operação que será concluída dez dias depois, segundo comunicado da agência.

O desbloqueio pela UE e o FMI, no dia 13 de dezembro, de novos fundos vitais para que a Grécia não entre em default, depende do êxito dessa operação.

“O avanço do programa da dívida grega será analisado na reunião de ministros das Finanças da UE” nessa data, disse o ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, nesta terça-feira.