S&P deixa mercados alertas com indefinição da nota da França

Analistas acreditam que agência pode anunciar nesta sexta-feira o rebaixamento da nota francesa

Paris – Um mês depois de ter ameaçado rebaixar as notas de quinze países da zona do euro, entre elas o ‘triplo A’ da França, a agência de classificação Standard and Poor’s (SP’s) prolonga o suspense emitindo mensagens de alerta que têm testado os nervos dos investidores.

“Apesar de sua nota triplo A, os investidores tratam a França como se ela tivesse um triplo B”, disse Jean-Michel Six, economista-chefe para Europa da agência de classificação americana em uma entrevista ao jornal Parisien/Aujourd’hui, publicada nesta sexta-feira.

“Não é que apenas a França em particular esteja na mira, mas sim os 17 países da zona do euro”, completa.

No Palácio Presidencial do Eliseu, nos gabinetes ministeriais, nas salas dos mercados ou das redações, cada uma destas declarações é analisada com a esperança de ver algum sinal. A última declaração será interpretada como a confirmação de uma perda próxima do triple A francês.

“Os investidores não tratam em absoluto a França como se fosse um país europeu da categoria AAA”, disse nesta sexta-feira o Ministério francês de Finanças.

Analistas de mercado cogitam que o anúncio de rebaixamento pode ser feito nesta sexta-feira, após o fechamento de Wall Street.

Os Estados Unidos perderam seu triplo A no dia 5 de agosto pela noite. O anúncio em pleno fim de semana dá tempo aos mercados para digerir a notícia durante o fim de semana.

A SP’s concede normalmente no máximo 90 dias para decidir se cumpre ou não suas ameaças. Desta vez, no entanto, a agência disse em seu comunicado de 5 de dezembro que iria decidir o quanto antes possível, até no máximo 9 de janeiro.

Desde então, Paris aguarda ansiosamente pela decisão, ainda mais porque Paris foi ameaçada de ter sua nota reduzida em dois escalões, de “AAA” para “AA”, enquanto que os outros cinco países da com triplo A da zona do euro cairiam para “AA+”.

As outras duas grandes agências, Moody’s e Fitch, também lançaram advertências à França.

O governador do Banco da França, Christian Noyer, já expressou sua indignação. “A perda do triplo A é uma decisão das agências de classificação e de ninguém mais”, disse. Além disso, disse Noyer, a primeira emissão da dívida da França este ano, realizada na quinta-feira, obteve “um grande êxito”.