Risco-retorno em ações está atraente no curto prazo, avalia fundo

“Aumentamos nossa posição líquida comprada”, mostra o último relatório de desempenho de fundo chefiado por Luis Stuhlberger

São Paulo – A relação entre o risco e retorno está melhor e justifica novas compras de ações, mostra o último relatório de desempenho assinado pela gestão do fundo CSHG Verde FIC FIM, chefiado por Luis Stuhlberger. “Esperamos novas intervenções das autoridades, o que torna o risco-retorno de curto prazo para ações mais atrativo, e por isso aumentamos nossa posição líquida comprada”, mostra a análise.

No documento publicado em maio, o fundo ressaltou os efeitos da influência da política sobre o mercado financeiro no Brasil e chamou o momento de “Bull Market in Politics”. A deflagração do novo momento teria começado na decisão do Banco Central em 31 de agosto de 2011. Naquele dia, o BC pegou o mercado de surpresa com um corte na Selic. A decisão quebrou o “paradigma operacional anterior”, dizia o texto.

“Expressamos nosso ceticismo em relação ao valuation do mercado e destacamos os riscos nas margens de várias empresas. Para não falar do ‘Bull Market in Politics’. Não por acaso, mantínhamos uma exposição comprada baixa. A queda de maio, contudo, não pode ser atribuída apenas a fatores domésticos, que respondem pela underperformance [desempenho abaixo da média] recente do Brasil”, destaca o documento que justifica o desempenho de maio, quando o fundo apresentou uma queda de 0,87%. O Ibovespa caiu 11,86% no mesmo período.