PT aceitará votos em Haddad e até em “Andrade”, diz XP Investimentos

Equipe de analistas mudou de aposta e acredita que o petista irá disputar o segundo turno com Bolsonaro

São Paulo – Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) serão os candidatos que disputarão a presidência no segundo turno. É o que afirma a equipe econômica da XP Investimentos, que mudou de posicionamento após as divulgações de pesquisas eleitorais. Anteriormente, a aposta era que Bolsonaro iria disputar o segundo turno com Geraldo Alckmin (PSDB).

Em relatório a clientes, a XP Investimentos afirmou que as eleições de fato começaram agora com o PT em campanha, após anunciarem a candidatura de Fernando Haddad. O petista deve crescer nas próximas pesquisas embalado por campanha publicitária que tem acertado o tom e a leitura política.

Disse ainda que Haddad têm de crescer e se distanciar do pelotão que hoje inclui Alckmin, Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT).

“O PT levará com força o nome de Fernando Haddad, mas aceita votos em ‘Andrade’ ou ‘Adauto’, ou como o eleitor quiser chamar seu candidato, assim como aceitou votos em ‘Vilma’ em 2010”.

Veja também

Alckmin x  Bolsonaro

Sobre o tucano, a XP afirmou que sua ida ao segundo turno não pode ser descartada, mas certamente está mais improvável. Os analistas acreditam que Alckmin dobrará a aposta contra Bolsonaro e partirá para o ataque, mesmo com o potencial de dar errado.

Até a semana passada, os analistas acreditavam que a campanha de Alckmin para televisão estava surtindo efeito, já que ele usava o espaço para fazer a rejeição de Bolsonaro crescer. Entretanto, o cenário mudou após o atentado contra o deputado.

“O ataque parou os tucanos por uma semana e fez os 9 segundos de propaganda do deputado se transformarem em 24 horas diárias de cobertura midiática, o que, por evidente, mudou a dinâmica das coisas.”

A dúvida que paira no mercado financeiro é que no momento que o ataque, mais pesado voltar, o que pode acontecer neste final de semana, ele surtirá ou não o mesmo efeito. “Está mais difícil a vida do tucano hoje, que dez dias atrás, o tempo está mais curto.”