Petróleo sobe com dados do auxílio-desemprego nos EUA

O mercado reagiu positivamente ao indicador de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA e à elevação das previsões da Comissão Europeia para o PIB da zona do euro

Nova York – Os preços do petróleo tiveram uma alta forte nesta quinta-feira, 5, recuperando terreno depois das quedas na véspera (de 8,7% em Nova York e de 6,5% na Europa).

O mercado reagiu positivamente ao indicador de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA e à elevação das previsões da Comissão Europeia para o PIB da zona do euro.

O número de pedidos de auxílio-desemprego alcançou 278 mil na semana até 31 de janeiro, com crescimento de 11 mil em relação à semana anterior; a expectativa dos economistas era de 290 mil pedidos.

A Comissão Europeia elevou sua previsão para o PIB da zona do euro para 1,3% neste ano e 1,9% em 2016; as previsões anteriores eram de 1,1% para 2015 e de 1,7% para 2016.

Um relatório do Société Générale afirmou que os estoques cada vez maiores de petróleo vão fazer crescer a pressão sobre os preços.

Já os analistas do BNP Paribas disseram que a temporada de suspensão das atividades de várias refinarias norte-americanas para manutenção sazonal deverá fazer os estoques crescerem ainda mais.

A JBC Energy observou que o Brasil e o Iraque estão produzindo quase 1 milhão de barris por dia a mais do que há um ano.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), os contratos de petróleo bruto para março fecharam a US$ 50,48 por barril, em alta de US$ 2,03 (4,19%).

Na Intercontinental Exchange (ICE), os contratos do petróleo Brent para março fecharam a US$ 56,57 por barril, em alta de US$ 2,41 (4,45%).

Fonte: Dow Jones Newswires.