Petróleo sobe a US$ 86,88 após sessão turbulenta

Nova York – Os preços dos contratos futuros do petróleo fecharam em leve alta após uma sessão tomada pela forte oscilação, com os sinais de que a Europa está tentando agilizar a implementação de medidas para conter a crise das dívidas soberanas da região. Alguns participantes do mercado disseram que hoje foi um dos dias mais turbulentos no período recente.

O contrato do petróleo para setembro negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) subiu US$ 0,25, ou 0,29%, e fechou a US$ 86,88 por barril, embora ao longo do dia tenha atingido mínima de US$ 82,87 – menor nível desde 26 de novembro. Na plataforma ICE, o contrato do petróleo tipo Brent para setembro avançou US$ 2,12, ou 1,97%, para US$ 109,37 por barril.

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, afirmou que o país vai acelerar o cronograma da sua consolidação fiscal e introduzir uma emenda na Constituição para garantir o equilíbrio do orçamento. O mercado gostou da notícia e a interpretou como um sinal de progresso na adoção de medidas para conter a crise da dívida soberana da zona do euro.

Outro fator que deu suporte ao preço do petróleo foram os dados divulgados hoje pelo Departamento do Trabalho dos EUA, segundo os quais a economia do país gerou 117 mil novos empregos em julho, mais do que as 75 mil vagas esperadas. A taxa de desemprego também caiu, de 9,2% para 9,1%.

Ainda assim, os investidores estão preocupados com os recentes sinais de fraqueza nos EUA, como o declínio no consumo – principal motor da economia norte-americana. O país, principal consumidor mundial de petróleo, ainda tem 14 milhões de pessoas desempregadas e mostra sinais de declínio na demanda por gasolina.

Na semana, o preço do contrato do petróleo para setembro caiu 9,2% na Nymex e 6,31% na ICE. “Esta semana foi o momento de clareza do mercado”, disse Peter Beutel, diretor da consultoria Cameron Hanover. “Ele de repente começou a olhar para uma recuperação econômica que perdeu fôlego”. As informações são da Dow Jones.