Petróleo opera em queda com baixo volume de negócios

Um impulso de alta pode surgir em consequência de possíveis interrupções na oferta do Mar do Norte no final desta semana

Londres – Os contratos de petróleo operam em queda em meio a um baixo volume de negócios, enquanto os investidores aguardam notícias sobre importantes reuniões que estão sendo realizadas em Washington e em Genebra. No entanto, um impulso de alta pode surgir em consequência de possíveis interrupções na oferta do Mar do Norte no final desta semana.

O impasse no Congresso dos EUA com relação ao Orçamento do país e ao limite de endividamento prossegue, o que mantém parte do governo paralisado. Em razão disso, o Departamento de Energia (DoE) não vai divulgar os dados semanais sobre estoques, que estava previsto para quinta-feira, 17.

Analistas da corretora PVM afirmaram que os preços do petróleo provavelmente se moverão conforme houver progresso nas negociações em Washington. “Se eles fracassarem os mercados financeiros entrarão em uma espiral negativa e o preço do petróleo será pego pelo furacão. As chances de Washington deixar isso acontecer deve ser zero, mas isso era o que pensávamos sobre o Lehman Brothers”, comentaram os analistas em nota a clientes.

Enquanto isso, uma nova rodada de negociações sobre o programa nuclear do Irã começou nesta terça-feira, 15, em Genebra e inclui os cinco países membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha.

Qualquer relaxamento nas sanções internacionais ao Irã pode pressionar o preço do petróleo, conforme destacaram analistas do Commerzbank. Durante os dois últimos anos as exportações iranianas de petróleo caíram mais de 1 milhão de barris por dia como resultado das sanções e a Arábia Saudita aumentou sua produção para compensar.

No entanto, “o brent pode em breve ter de lidar com uma interrupção na produção no Mar do Norte se uma planejada greve na refinaria Grangemouth, que tem papel importante na oferta de petróleo tipo Forties, acontecer”, observaram analistas da JBC Energy. Trabalhadores sindicalizados informaram a operadora da refinaria, a Ineos, que pretendem fazer uma greve de 48 horas no dia 20 de outubro.

Um aperto na oferta do brent pode provocar alta no preço desse contrato e ampliar ainda mais a diferença entre os preços no Mar do Norte e nos EUA, que está atualmente em torno de US$ 8,77 por barril. Às 7h32 (pelo horário de Brasília), o brent para novembro caía 0,69% na ICE, para US$ 110,27 por barril, enquanto o contrato para novembro negociado na Nymex recuava 0,55%, para US$ 101,85 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.