Petróleo opera em alta, de olho na Opep

Cotação: às 9h04 (de Brasília), o Brent para janeiro subia 1,25%, a US$ 44,39 por barril na plataforma eletrônica ICE

São Paulo – Os futuros de petróleo operam em alta nesta manhã, à espera do resultado da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), em Viena, e dos últimos dados sobre a criação de empregos nos EUA.

Segundo o ministro saudita do Petróleo, Ali al-Naimi, que falou antes do início do encontro da Opep, não existe uma proposta para um corte de produção coordenado pela Arábia Saudita e a demanda pela commodity deve continuar a crescer no próximo ano.

Naimi afirmou, no entanto, que seu país está disposto “a cooperar com qualquer um que queira trabalhar conosco para equilibrar o mercado”.

Após a notícia de que a Arábia Saudita estaria aberta a um corte na produção, caso outros fornecedores concordassem, a reação do Irã e da Rússia foi de descartar essa possibilidade.

Teerã se prepara para voltar ao mercado internacional, com a retirada das sanções contra o país por causa do programa nuclear iraniano, enquanto Moscou avalia que a manutenção da produção em patamar alto foi uma estratégia liderada pelos sauditas para prejudicar financeiramente a Rússia.

Já o ministro do Petróleo do Iraque, Adel Abdul-Mehdi, declarou que a iniciativa saudita de manter a produção elevada para defender sua participação de mercado, independentemente dos preços da commodity, tem funcionado apenas parcialmente.

“Nós estamos preocupados com a união da Opep e em defender os interesses de todos os países”, afirmou o dirigente iraquiano.

O Iraque produz cerca de 4,5 milhões de barris ao dia, atualmente, e planeja exportar cerca de 3,6 milhões de barris ao dia, acrescentou Abdul-Mehdi.

A Opep está reunida para rever sua meta de produção, que hoje é de 30 milhões de barris por dia, e estabelecer sua estratégia para os próximos seis meses.

Os investidores nos mercados de petróleo também aguardam o relatório de emprego dos EUA referente a novembro, que será divulgado às 11h30 (de Brasília).

Os números serão acompanhados de perto porque podem consolidar os planos do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de começar a elevar juros a partir da reunião dos próximos dias 15 e 16.

No cenário geopolítico, o Parlamento da Alemanha aprovou nesta manhã uma proposta para o envio de uma missão de apoio aos países que combatem o Estado Islâmico na Síria, incluindo EUA, França, Rússia e Reino Unido.

As incertezas no Oriente Médio, a maior região produtora de petróleo do mundo, tendem a sustentar as cotações da commodity.

Às 9h04 (de Brasília), o Brent para janeiro subia 1,25%, a US$ 44,39 por barril na plataforma eletrônica ICE, enquanto o petróleo para o mesmo mês negociado na Nymex avançava 1,29%, a US$ 41,61 por barril.