Petróleo estende perdas após queda brusca na véspera

Ontem, os preços caíram US$ 3 em menos de um minuto, mas nenhuma explicação clara para o fato foi dada

Os contratos futuros de petróleo operam em baixa, em um sinal de que a queda de US$ 3 nesta segunda-feira (17) pode não ter sido uma questão técnica, mas sim um reflexo dos receios dos participantes do mercado de que os preços atuais não sejam sustentáveis.

“Se isso foi um flash crash (movimento técnico de queda brusca), por que os preços não se recuperaram?”, questionou Eugen Weinberg, diretor de pesquisas de commodities do Commerzbank. Segundo ele, os mercados podem ter precisado de uma pausa em seguida às altas dos últimos meses, mas ainda há diversos fatores de suporte – como um possível corte de produção no Oriente Médio e na Líbia.

Ontem os preços caíram US$ 3 em menos de um minuto, mas nenhuma explicação clara para o fato foi dada. Jack Pollard, analista de commodities da Sucden Financial, afirmou que provavelmente os investidores estão preocupados com a possibilidade de os EUA venderem suas reservas estratégicas de petróleo.

“Eu acho que ainda estamos muito vulneráveis”, disse Pollard. “Considerando a fraca demanda e a oferta adequada, os preços estão excessivamente avaliados no momento”, acrescentou. Segundo ele, os operadores podem estar entrando em um período de realização de lucros.

Em nota a clientes, a JBC Energy comentou que no passado os mercados de petróleo já observaram movimentos bruscos nos preços que não puderam ser atribuídos a um fator específico. Mais tarde, às 17h30 (de Brasília), os operadores observarão o relatório do instituto API sobre os estoques de petróleo nos EUA.

Às 9h01 (de Brasília), o petróleo para outubro negociado na Nymex caía 0,79%, para US$ 95,86 por barril, e o brent para novembro recuava 0,40% na ICE, para US$ 113,33 por barril. As informações são da Dow Jones.