PANORAMA2-Estímulo econômico e dívida nos EUA confundem mercados

SÃO PAULO, 8 de dezembro (Reuters) – Notícias de mais
estímulos econômicos nos Estados Unidos e preocupações com a
dívida pública naquele país dividiam os mercados financeiros
nesta quarta-feira, com queda das ações globais e avanço do
dólar.

O índice MSCI de ações mundiais recuava 0,5
por cento. As bolsas de valores europeias , por outro
lado, subiam, ancoradas em expectativas de que a extensão de
cortes de impostos nos EUA deem fôlego extra à retomada
econômica, mas a receita menor com impostos preocupava parte do
mercado, que teme o aumento do já pesado déficit do pais nos
próximos anos.

Esse temor levava os rendimentos dos Treasuries de 10 anos,
considerados referência, ao maior nível desde junho. O
movimento dava combustível ao dólar, que subia ante uma cesta
de divisas .

Os ganhos da divisa norte-americana golpeavam os preços dos
metais, com os futuros do ouro nos EUA recuando mais de
1 por cento. A fraqueza dos metais era o fiel da balança na
Bovespa, que cedia perto de 0,8 por cento.

Na agenda doméstica, os agentes do mercado de cambio
seguiam atentos a atuações mais firmes do Banco Central, após
na véspera a autoridade monetária ter retomado dois leilões de
aquisição de moeda no segmento à vista. Mas perspectivas de
mais ingressos de recursos no curto prazo mantinham a cotação
em torno da estabilidade.

As projeções de juros também mostravam estabilidade nos
vencimentos mais próximos, com o mercado na expectativa antes
da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a
Selic, na noite desta quarta-feira.

O movimento dos DIs ocorria em meio a sinais de que a
inflação continua ganhando terreno, apos o Índice Nacional de
Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro marcar a maior
elevação desde abril de 2005.

A pauta do dia contou ainda com alta de 1,14 por cento no
Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) na primeira
prévia de dezembro [ID:nN08132959].

Veja a variação dos principais mercados às 12h43 nesta
quarta-feira:

CÂMBIO

O dólar era cotado a 1,685 real, em alta de 0,18 por cento
frente ao fechamento anterior.

BOVESPA

O Ibovespa recuava 0,52 por cento, para 68.976 pontos. O
volume financeiro na bolsa era de 2,1 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS

O índice dos principais ADRs brasileiros subia 0,09 por
cento, a 35.316 pontos.

JUROS

O DI janeiro de 2012 apontava 12,05 por cento ao ano, ante
12,04 por cento no ajuste anterior.

EURO

A moeda comum europeia era cotada a 1,3259 dólar, ante
1,3263 dólar no fechamento anterior.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global
40, cedia a 136,625 por cento do valor de face, oferecendo
rendimento de 2,626 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS

O risco Brasil caía 1 ponto, para 162 pontos-básicos. O
EMBI+ tinha alta de 1 ponto, a 227 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

O índice Dow Jones subia 0,25 por cento, a 11.387
pontos; o S&P 500 ganhava 0,42 por cento, a 1.228
pontos, e o Nasdaq crescia 0,49 por cento, a 2.611
pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo
tinha oscilação positiva de 0,17 dólar, ou 0,2 por cento, a
88,86 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos,
referência do mercado, registrava queda, oferecendo rendimento
de 3,2207 por cento ante 3,141 por cento no fechamento
anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no
terminal de notícias da Reuters pelo código )

(Por José de Castro; Edição de Aluísio Alves)