PANORAMA1-Euro aprofunda queda com medo de crise mais ampla

SÃO PAULO, 30 de novembro (Reuters) – O medo de que a crise
europeia se estenda a outros países continuava a pressionar o
mercado nesta terça-feira, com volatilidade nas bolsas e
desvalorização do euro.

O FTSEurofirst 300 chegou a operar no vermelho,
mas às 8h25 tinha leve alta de 0,38 por cento por conta do
desempenho positivo de ações de energia. Nos Estados Unidos, os
futuros acionários indicavam abertura negativa, com o contrato
do S&P 500 em baixa de 1,7 ponto.

O euro ameaçava perder o suporte psicológico de 1,30
dólar, com queda de 0,87 por cento, a 1,3010 dólar, e era
cotado no menor nível em 10 semanas.

O prêmio de risco de países como Portugal, Espanha e Itália
subia, com os dois últimos atingindo o maior spread em relação
aos bônus alemães desde a criação do euro. O mercado teme que a
ajuda a Grécia e Irlanda não seja suficiente para evitar um
contágio mais amplo da crise da dívida na região.

O índice da bolsa de Xangai caiu 1,61 por cento. No
Japão, o índice Nikkei recuou 1,87 por cento,
acompanhando o clima negativo no exterior.

O dólar se valorizava no mundo. Ante uma cesta de moedas
, a divisa tinha variação positiva de 0,45 por cento.

Entre as matérias-primas, o petróleo caía 0,36
dólar, a 85,37 dólares, nas operações eletrônicas em Nova
York.

No Brasil, o mercado encerra o mês de olho na transição do
governo, mas atento ao quadro internacional após o Ibovespa
cair, na véspera, ao menor fechamento em mais de dois meses.

Na agenda do dia, o governo publica às 10h30 o relatório de
contas públicas em outubro. Às 11h, será divulgado pela
Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) o
índice de atividade do setor em outubro.

Nos EUA, o índice de atividade de Nova York em novembro
será anunciado às 11h30 pelo ISM. Às 12h45, o índice PMI de
atividade de Chicago deve recuar ligeiramente para 60,0 pontos
em setembro, de acordo com a previsão de economistas. Às 13h, o
índice de confiança do consumidor do Conference Board deve
mostrar alta a 52,6 pontos em novembro.

Veja a variação dos principais mercados na segunda-feira:

CÂMBIO

O dólar terminou a 1,724 real, em queda de 0,23 por cento
frente ao fechamento anterior.

BOVESPA

O Ibovespa recuou 0,47 por cento, para 67.908 pontos. O
volume financeiro na bolsa foi de 5,19 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS

O índice dos principais ADRs brasileiros cedia 0,45 por
cento, a 34.234 pontos.

JUROS

O DI janeiro de 2012 apontava 12,03 por cento ao ano, ante
12,02 por cento no ajuste anterior.

EURO

A moeda comum europeia era cotada a 1,3122 dólar,
ante 1,3240 dólar no fechamento anterior.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global
40, caía a 137,500 por cento do valor de face, oferecendo
rendimento de 2,505 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS

O risco Brasil subia 11 pontos, para 188 pontos-básicos. O
EMBI+ avançava 12 pontos, a 260 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

A alguns minutos do fechamento, o índice Dow Jones
perdia 0,28 por cento, a 11.060 pontos; o S&P 500 tinha
oscilação negativa de 0,09 por cento, a 1.188 pontos, e o
Nasdaq recuava 0,27 por cento, a 2.527 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo
registrou ganho de 1,97 dólar, ou 2,35 por cento, a 85,73
dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos,
referência do mercado, subia, oferecendo rendimento de 2,8351
por cento ante 2,87 por cento no fechamento anterior.

(PANORAMA1, PANORAMA2 e PANORAMA3 são localizados no
terminal de notícias da Reuters pelo código )

(Por Silvio Cascione; Edição de Vanessa Stelzer)