Agenda fraca e balanços dos EUA fecham semana

SÃO PAULO – Uma agenda fraca e um quadro indefinido marcam o fechamento da semana no cenário externo, com investidores realizando lucro em alguns mercados e buscando pechinchas em outros. A temporada de balanços nos Estados Unidos permanece sob os holofotes e destaca nesta sexta-feira os resultados de General Electric e Bank of America. Mas também segue no radar o risco de novo aperto monetário na China.

O índice MSCI para ações globais avançava 0,09 por cento às 7h24, enquanto o para emergentes caía 0,64 por cento. O MSCI da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão perdia 0,82 por cento. O europeu FTSEurofirst 300 apreciava-se 0,23 por cento, com papéis de mineradoras encontrando suporte na recuperação de alguns metais. Nos EUA, o futuro do S&P 500 cedia 0,60 ponto.

Os pregões na Ásia também mostraram direções mistas, com o japonês Nikkei recuando 1,56 por cento, reflexo do movimento de realização de lucros, enquanto o índice da bolsa de Xangai avançou 1,41 por cento, com a melhora em ações de contrutoras e bancos.

No segmento cambial, o euro valorizava-se 0,50 por cento, a 1.3544 dólar, o que influenciava a queda de 0,35 por cento do índice DXY que mede o valor do dólar ante uma cesta com as principais moedas globais. Em relação à divisa japonesa , o dólar declinava 0,22 por cento, a 82,85 ienes.

Ajudou no movimento do euro, a divulgação pelo instituto Ifo de que seu índice de confiança do empresariado na Alemanha subiu para 110,3 em janeiro. Analistas ouvidos Reuters previam uma leitura de 109,9.

Entre as commodities, o petróleo aumentava 0,43 dólar, a 90,02 dólares o barril, nas operações eletrônicas em Nova York.

No Brasil, o Banco Central volta a realizar leilão de swap cambial reverso, com oferta de 2 mil contratos para abril de 2011, 8 mil contratos para julho de 2011 e 10 mil contratos para janeiro de 2012. A operação ocorre das 12h às 12h30, com resultado a partir das 12h45.

Veja a variação dos principais mercados na quinta-feira:

CÂMBIO

O dólar terminou a 1,672 real, com oscilação negativa de 0,06 por cento frente ao fechamento anterior.

BOVESPA

O Ibovespa caiu 0,71 por cento, para 69.561 pontos. O volume financeiro na bolsa foi de 7,41 bilhões de reais.

ADRs BRASILEIROS

O índice dos principais ADRs brasileiros recuava 1,62 por cento, a 36.233 pontos.

JUROS

No call das 16h, o DI janeiro de 2012 apontava 12,36 por cento ao ano, ante 12,42 por cento no ajuste anterior.

EURO

A moeda comum europeia era cotada a 1,3469 dólar, ante 1,3466 dólar no fechamento anterior nas operações norte-americanas.

GLOBAL 40

O título de referência dos mercados emergentes, o Global 40, cedia a 135,688 por cento do valor de face, oferecendo rendimento de 2,642 por cento ao ano.

RISCO-PAÍS

O risco Brasil caía 7 pontos, para 167 pontos-básicos. O EMBI+ recuava 7 pontos, a 235 pontos-básicos.

BOLSAS DOS EUA

A alguns minutos do fechamento, o índice Dow Jones <.DJI> retrocedia 0,14 por cento, a 11.808 pontos; o S&P 500 <.SPX> tinha queda de 0,24 por cento, a 1.278 pontos, e o Nasdaq <.IXIC> registrava perda de 0,76 por cento, a 2.704 pontos.

PETRÓLEO

Na Nymex, o contrato de petróleo de vencimento mais próximo caiu 2 dólares, ou 2,2 por cento, a 88,86 dólares por barril.

TREASURIES DE 10 ANOS

O preço dos títulos do Tesouro norte-americano de 10 anos, referência do mercado, recuava, oferecendo rendimento de 3,445 por cento ante 3,337 por cento no fechamento anterior.