Ouro fecha em alta impulsionado por tensões geopolíticas

Investidores voltaram a adquirir o metal precioso em meio à continuidade dos conflitos na Ucrânia e no Oriente Médio.

São Paulo – Os contratos futuros do ouro negociados na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fecharam com ganhos nesta sexta-feira, 25, se recuperando após três baixas seguidas.

Investidores ficaram mais cautelosos com a possibilidade de agravamento das tensões geopolíticas, especialmente na Ucrânia.

O contrato para agosto fechou em alta de US$ 12,50 (0,97%), a US$ 1.303,30 a onça-troy. Na semana, entretanto, o vencimento acumulou perdas de 0,47%, depois de ter terminado ontem abaixo da marca de US$ 1.300 a onça-troy pela primeira vez desde 16 de julho.

Investidores voltaram a adquirir o metal precioso em meio à continuidade dos conflitos na Ucrânia e no Oriente Médio.

Autoridades de defesa e diplomáticas dos Estados Unidos disseram nesta quinta-feira, 24, que a Rússia está disparando artilharia através da fronteira contra posições militares ucranianas, deixando ainda mais tensa a relação entre EUA e Europa e Moscou.

O combate entre Israel e o Hamas tampouco mostra sinais de alívio, apesar da pressão dos EUA por uma trégua.

A instabilidade geopolítica ajudou a impulsionar os preços de ouro, utilizado por alguns investidores como proteção de carteiras em tempos incertos, pela expectativa de que o metal irá segurar o valor melhor do que outros ativos.

Ainda assim, analistas acreditam que os ganhos do ouro serão temporários pela perspectiva de alta das taxas de juros nos Estados Unidos no próximo ano. O Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fed) se reúne na próxima semana.

Os conflitos “estão dando ao ouro algumas compras instintivas de vez em quando, mas elas não duram muito tempo”, disse Thomas Capalbo, corretor da Newedge.

“A possibilidade de taxas mais elevadas no próximo ano está orientando a negociação do metal no momento.”

Fonte: Dow Jones Newswires.