Otimismo na Europa deve ajudar abertura de bolsas em NY

Os índices futuros das bolsas de Nova York operam em alta, sugerindo uma abertura positiva em Wall Street nesta sexta-feira

Nova York – Os índices futuros das bolsas de Nova York operam em alta, sugerindo uma abertura positiva em Wall Street nesta sexta-feira, 17, sustentados pela expectativa positiva para indicadores dos Estados Unidos que serão divulgados nesta manhã.

Às 10h15, no mercado futuro, Dow Jones subia 0,28%, Nasdaq avançava 0,33% e S&P 500 tinha alta de 0,32%. Ontem, o S&P 500 recuou 0,5%, a maior queda numa única sessão desde 1º de maio. A perda, no entanto, foi apenas a segunda em 11 pregões.

“Está um dia tranquilo”, disse Nicholas Colas, estrategista-chefe de mercado do ConvergEx Group. Com poucas notícias econômicas e de balanços no curto prazo, “não há muito que possa nos atrapalhar. Não vejo nada que possa reverter (os ganhos)”, acrescentou.

Colas lembrou que períodos em que há escassez de notícias de fundamentos foram bons para a renda variável nos EUA nos últimos anos.

Os participantes do mercado aguardam o índice de sentimento do consumidor norte-americano, da Universidade de Michigan, que será publicado às 10h55 (de Brasília).

A previsão é de que a leitura preliminar tenha avançado para 78 em maio, da leitura final de 76,4 em abril. Logo em seguida, às 11h, vai sair o índice de indicadores antecedentes do Conference Board para abril, que deverá subir 0,3%, segundo economistas.


Com as preocupações sobre quando, e se, o Federal Reserve começará a desfazer sua política de estímulos, os investidores deverão acompanhar também o discurso do Fed de Minneapolis, Narayana Kocherlakota, que começa a falar às 14h45.

Kocherlakota, porém, não é membro votante do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês).

Também contribui para um abertura em alta em Nova York o tom positivo das bolsas europeias, que avançam com o suporte de montadoras e bancos. Em abril, as vendas de automóveis na Europa cresceram pela primeira vez desde setembro de 2011.

No noticiário corporativo, a Dell caía 0,22% no pré-mercado, após o fabricante de computadores ter divulgado ontem queda maior do que se esperava no lucro, com receita menor e estreitamento das margens.

Já a J.C. Penney recuava 3,89% antes da abertura dos mercados, com os investidores reagindo ao prejuízo maior do que o previsto da problemática rede de lojas de departamento. As informações são da Dow Jones.