Os investidores podem ser salvos pelos mercados emergentes

Foi o que disse a EXAME Mark Mobius, diretor da Franklin Templeton, o maior fundo estrangeiro na Bovespa

Leia os principais trechos da entrevista concedida por Mark Mobius, diretor responsável por mercados emergentes da Franklin Templeton, uma das maiores gestoras de recursos do mundo, com um patrimônio de 650 bilhões de dólares. Com 10 bilhões de dólares aplicados em ações de empresas brasileiras, ele é o gestor estrangeiro com maior presença na Bovespa. Mobius falou a EXAME pouco antes do carnaval, por celular, de Salvador, onde estava para a reunião anual de analistas da Templeton.</p>

EXAME – Por que o sr. considera o Brasil um mercado promissor?
MOBIUS – Em primeiro lugar, porque as exportações brasileiras de matérias-primas estão crescendo continuamente, o que indica que as coisas irão bem para o país. Há tantos recursos naturais que podem ser exportados e com os quais podem ser geradas receitas. Tenho boas perspectivas para as ações de empresas desse setor. O segundo fator é a mudança no consumo, a revolução do consumo que está ocorrendo no Brasil. Cada vez mais pessoas podem comprar bens que não podiam antes. Essa é uma mudança importante.

EXAME – O sr. já tem um portfólio de 10 bilhões de dólares em ações de empresas brasileiras. Pretende aumentar a aposta?
MOBIUS – Sim. Investimos continuamente em ações brasileiras ao longo dos últimos anos e pretendemos continuar fazendo isso. Há muitas empresas interessantes aqui.

EXAME – Seus fundos investem em ações de diferentes empresas brasileiras de commodities e matérias-primas, como Gerdau, Petrobras, Vale. Que papéis o sr. recomendaria no setor de consumo?
MOBIUS – Qualquer ação de empresas de alimentos que vendam para o mercado interno, além de bancos que emprestem para as pessoas físicas. Há boas possibilidades nessa direção.

EXAME – As melhores oportunidades estão em empresas de grande valor de mercado, as large caps? Ou o sr. também considera promissoras as ações de small caps?
MOBIUS – Ambas. Investimos em small e large caps. Na verdade, recentemente criamos um fundo de small caps, especialmente para investir em papéis desse segmento no Brasil e em outros países emergentes.

EXAME – Há ações de empresas brasileiras nesse fundo de small caps?
MOBIUS – Algumas, não muitas. Lamento, mas não posso dizer quais. Há mais companhias do Egito, Paquistão e Índia, porque há mais ações de small caps nesses mercados.

EXAME – O sr. disse que o setor de commodities é promissor. Mas não há um receio de que os preços das commodities caiam nos próximos meses ou anos?
MOBIUS – Sim. Haverá correções no comportamento do preço das commodities, mas isso não deve gerar grandes problemas para as empresas brasileiras desse setor, pois a demanda por matérias-primas vai continuar elevada por algum tempo. Acredito que haverá demanda contínua por minérios, alimentos. Além disso, mesmo que caiam um pouco, os preços continuarão relativamente altos. Isso também está relacionado à valorização do dólar americano.

EXAME – O sr. fez alguma mudança em seus investimentos no Brasil devido à turbulência das bolsas?
MOBIUS – Não. Simplesmente ficamos onde estávamos. Somos investidores de longo prazo e não achamos necessário mudar a carteira. Temos boas ações e não há necessidade de mudar isso. Encontramos boas oportunidades e queremos segurá-las.

EXAME – Qual é a sua opinião sobre a tese de que economias emergentes podem andar bem mesmo no caso de uma recessão nos Estados Unidos?
MOBIUS – Sim, acredito que isso pode acontecer. Hoje, há uma certa desconexão entre o que está acontecendo nos mercados emergentes e o que está acontecendo nos países desenvolvidos. Por isso, acredito que existe uma boa chance de os investidores serem salvos pelos mercados emergentes. Atualmente, eles são um porto seguro. É uma situação bem diferente da que observamos nos anos 90.

EXAME – Quais são as principais diferenças?
MOBIUS – No caso do Brasil, principalmente, a inflação baixa – está muito mais baixa do que já jamais esteve. Em segundo lugar, vêm as políticas governamentais que mudaram dramaticamente e estão muito mais amistosas a investimento. Acredito que, se as condições continuarem melhorando, existe uma boa chance de o Brasil obter o grau de investimento em 2008.

EXAME – O sr. está mais otimista em relação ao Brasil do que a outros países emergentes?
MOBIUS – Na verdade, não. O Brasil tem um grande futuro, mudanças importantes estão acontecendo aqui, mas isso não é uma exclusividade brasileira. Os mercados chinês, coreano, taiwanês, russo, sul-africano, turco são todos muito interessantes.

EXAME – Quais as principais diferenças entre esses mercados e o brasileiro?
MOBIUS – A principal delas é o crescimento econômico. Alguns desses países, especialmente os asiáticos, estão crescendo mais rápido.