Oferta do Oriente Médio preocupa e petróleo cai

As expectativas de uma intervenção militar na Síria sustentam os preços

Londres – As expectativas de uma intervenção militar na Síria sustentam os preços do petróleo, enquanto os participantes dos mercados se preparam para potenciais problemas na oferta do Oriente Médio, que é uma das principais regiões produtoras da commodity no mundo.

O contrato do brent para outubro opera acima de US$ 115 por barril na London Metal Exchange (LME) e, depois de subir cerca de 6% nesta semana, está nos níveis mais altos em seis meses e próximo do pico de US$ 119,97 por barril atingido em fevereiro. O contrato negociado na Nymex opera acima de US$ 110 por barril, nível que não era visto há 18 meses.

A mudança no discurso dos EUA sobre a Síria nesta semana foi um catalisador para o aumento dos preços. A Síria não é um grande produtor de petróleo, as exportações do país foram duramente restringidas pelos EUA e pela União Europeia nos últimos anos e a infraestrutura de energia foi afetadas pela guerra civil. No entanto, as preocupações são de que uma ação militar dos EUA possa gerar um conflito mais amplo na região.

“Nós acreditamos que um ataque é provável dentro da próxima semana, mas não antes deste fim de semana. As conversas entre os EUA e outros países têm sido que, neste momento, a opção de não atacar já não existe mais”, comentou Michael Wittner, analista do Société Générale, em nota a clientes.

Analistas do Commerzbank destacaram a ameaça de os conflitos se ampliarem e haver uma retaliação de países como o Irã. “O Irã, que é um aliado da Síria, alertou contra um ataque militar, assim como a Rússia. Até mesmo os oponentes do presidente Bashar Assad temem que um ataque possa fortalecer os extremistas da região”, afirmaram.

Às 8h39 (horário de Brasília), o brent para outubro subia 0,91% na ICE, para US$ 115,40 por barril, e o petróleo para outubro negociado na Nymex avançava 1,04%, para US$ 110,14 por barril. Fonte: Dow Jones Newswires.