Na Natura, a mudança começa hoje

A quarta-feira deve ser agitada para a fabricante de cosméticos Natura. Hoje, a empresa anuncia, após o fechamento do mercado, os resultados do primeiro trimestre de 2016 e ainda inaugura sua primeira loja física — no Shopping Morumbi, em São Paulo.

A expectativa de analistas é que o lucro encolha 10% neste primeiro trimestre, na comparação anual, para 65 milhões de reais. A queda nos resultados não é bem uma novidade para os investidores. Desde 2013, o lucro da companhia diminuiu 41% — de 513 milhões para 309 milhões de reais por ano.

A Natura perde terreno para uma miríade de novos concorrentes de vendas diretas — já são mais de 300 no Brasil — e também para quem vende em lojas, farmácias e supermercados. Em 2010, a Natura liderava o mercado de cosméticos no país com 15% de participação, segundo a Euromonitor. No ano passado, a fatia caiu para 11% e a empresa perdeu a liderança para a fabricante de produtos de consumo Unilever. Agora está a apenas um décimo de ser ultrapassada pela rede de cosméticos Boticário.

Segundo analistas, o problema é que a companhia demorou tempo demais para mergulhar de vez no varejo. Agora tem a difícil missão de se recuperar em meio a uma recessão econômica. “Os esforços da administração para mudar a companhia estão levando mais tempo do que imaginamos para surtir efeito. Por enquanto, não vemos um sinal de mudança nos fracos resultados da empresa”, dizem analistas do banco Brasil Plural em relatório. O dia de hoje, se tudo der certo, é o começo de um longo processo de mudança.