Na esteira de Wall Street, Bovespa fecha no azul

Segundo dados preliminares, índice teve variação positiva de 0,24%, a 49.988 pontos, com giro financeiro de 6,2 bilhões de reais

São Paulo – O principal índice da Bovespa encerrou em alta nesta quinta-feira, seguindo as bolsas norte-americanas, que repercutiram positivamente dados mostrando melhora na economia do país, mas teve seus ganhos limitados por um novo tombo nos papéis da petroleira OGX.

Segundo dados preliminares, o Ibovespa teve variação positiva de 0,24 por cento, a 49.988 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 6,2 bilhões de reais.

O índice interrompeu uma sequência de três quedas, com os mercados internacionais se mostrando mais calmos após o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ter dito que ainda não tomou uma decisão sobre um ataque contra o governo sírio sob acusação de uso de armas químicas contra civis.

“Depois dos comentários do Obama a bolsa está se recuperando um pouco após a reação inicial de pânico, estamos vendo um movimento de recuperação internacional”, afirmou o estrategista Luis Gustavo Pereira, da Futura Corretora.

Sinais de melhora da economia norte-americana também deram sustentação aos mercados, embora reforcem o argumento para que o Federal Reserve, banco central norte-americano, pode reduzir em breve seu programa de estímulos.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA cresceu mais rápido que o esperado no segundo trimestre, e os pedidos de auxílio-desemprego no país caíram na semana passada.

Em reação ao humor mais positivo, o índice chegou a avançar 1,39 por cento na máxima, impulsionado por papéis de bancos, construtoras e de consumo.

A alta, porém, foi limitada pela desvalorização dos papéis preferenciais das blue chips Petrobras e Vale e, principalmente, da ação da petroleira OGX , do grupo EBX.

Na véspera, a empresa disse que a malaia Petronas não tem direito de adiar o fechamento financeiro de transação para a venda de participação em blocos na bacia de Campos, mas afirmar que está “empenhada em buscar uma solução que preserve o interesse de ambas”.

A Petronas anunciou mais cedo nesta semana que aguarda a reestruturação da dívida da OGX para dar prosseguimento ao negócio de 850 milhões de dólares com a petroleira de Eike Batista. “Basicamente, o que a Petronas falou é que não vai colocar dinheiro enquanto a OGX não arrumar a casa”, disse o estrategista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi.

Repercutiu ainda no mercado a divulgação de que Eike se desfez de ações da OGX e que pretende vender mais. Além disso, investidores digeriram a notícia que a parceria entre o BTG Pactual, de André Esteves, e a EBX, de Eike, está para ser desfeita, segundo a coluna Radar, da revista Veja.

Até o fechamento de quarta-feira, os papéis da OGX já acumulavam nesta semana queda de quase 30 por cento.

Em sentido contrário, os papéis da mineradora do grupo, a MMX tiveram a maior alta do índice, em meio a renovadas especulações sobre a venda do Porto do Sudeste, um de seus principais ativos.