Minério de ferro fecha mês com primeira queda desde agosto

Valor chega à mínima em seis semanas em meio a uma queda na demanda da China acompanhando as menores cotações do aço

Cingapura – O preço do minério de ferro no mercado à vista chegou à mínima em seis semanas, em meio a uma queda na demanda da China acompanhando as menores cotações do aço, com a matéria-prima registrando o primeiro mês de retração desde agosto.

Os futuros do aço em Xangai caíram nesta sexta-feira para o menor nível desde setembro e perderam quase 4 por cento neste mês, já que o inverno chinês diminui o ritmo das construções e a necessidade de aço.

O contrato de vergalhão para entrega em maio, o mais negociado na Bolsa de Futuros de Xangai, fechou em alta de 0,8 por cento, a 3.495 iuans (560 dólares), após tocar a mínima desde setembro, 3.464 iuans.

O vergalhão para construção caiu 3,7 por no acumulado de novembro, após dois meses de ganhos.

O minério com 62 por cento de teor de ferro, referência no mercado, caiu quase 1,30 dólar nesta sexta-feira, para 115,60 dólares a tonelada, o menor nível desde 19 de outubro, de acordo com a Steel Index.

Em novembro, o minério de ferro acumulou perda de 3,1 por cento, após saltar mais de 30 por cento nos últimos dois meses somados.

O preço pode cair ainda mais na próxima semana, disse um trader de Xangai.

“Algumas siderúrgicas ainda estão buscando carregamentos, mas elas preferem apenas aqueles que já estão no mar (sendo transportados), cujos proprietários estejam dispostos a vender por preços mais baixos. Não há muito interesse por carregamentos para entrega em janeiro”, disse ele.

A Vale vendeu uma carga com teor de 65 por cento de minério a 123,01 dólares a tonelada, mais de 3 dólares a menos do que antes, segundo operadores.

Já a Rio Tinto vendeu uma carga do minério australiano Pilbara –61 por cento– a 118,88 dólares por tonelada, 1 dólares a menos do que antes.