Mercado brasileiro segue Nova York e opera em leve alta

Saída de Agnelli da Vale pode acabar com especulações e fazer com que investidores voltem as atenções para as ações da empresa, uma das principais no Brasil

São Paulo – O principal índice das ações brasileiras oscilava perto da estabilidade nesta segunda-feira, com desempenho parecido com o das bolsas norte-americanas numa sessão de pouca volatilidade. Às 12h30, o Ibovespa tinha variação positiva de 0,28 por cento, a 67.958 pontos. O giro financeiro do pregão era de 1,6 bilhão de reais.

No mesmo horário, o Standard & Poor’s 500 subia 0,24 por cento em Nova York, favorecido pelas ações de telecomunicações, que receberam avaliação positiva de uma corretora. As ações preferenciais da Vale tinham baixa de 0,1 por cento, a 46,84 reais. O papel tem mostrado volatilidade há vários pregões com a incerteza do mercado a respeito do substituto de Roger Agnelli, que deve deixar a presidência da mineradora após o fim do contrato, em maio.

“Na nossa visão, a confirmação da substituição do Roger pode ser o fim do ‘overhang’ sobre o papel, já que encerra as especulações a este respeito e pode fazer os investidores voltarem a se focar nos fundamentos da empresa”, afirmaram os analistas Rodolfo de Angele e Rodrigo Fernandes, do banco JPMorgan, em relatório.

Em outra nota, uma analista do mesmo banco afirma que as dúvidas do mercado sobre a política monetária, com expectativas de inflação crescentes, ainda limitam a entrada de investidores estrangeiros na bolsa brasileira.

“Entendemos que estas incertezas estejam impedindo o fluxo de voltar para ‘equities’, mas também entendemos que os riscos monetários estejam bem precificados aos ‘valuations’ atuais”, afirmou Emy Shayo.

Em 2011, até 23 de março, os investidores estrangeiros retiraram 2,463 bilhões de reais líquidos da Bovespa.

Assim como no exterior, as ações de telecomunicações lideravam os ganhos no Ibovespa, com alta de 3,8 por cento de Tim Participações ON , a 8,77 reais, e valorização de 3,57 por cento de Telemar ON , a 37,10 reais.

Petrobras PN tinha alta de 0,38 por cento, a 28,75 reais.

No lado negativo, Light , que anunciou queda de 80 por cento do lucro no quarto trimestre, tinha baixa de 1,6 por cento, a 28,31 reais. “Continuamos a preferir Cemig à Light, devido ao menor valuation, melhor equilíbrio de negócios e melhor perfil de crescimento”, afirmou Vinicius Canheu, do Credit Suisse.