Mercado busca pechinchas e sustenta alta de 1,27% do Ibovespa

São Paulo – O maior otimismo com a Bovespa prevaleceu sobre a cautela global nesta quinta-feira, com os investidores buscando oportunidades de compra, ainda que com volume fraco, após a queda do dia anterior.

O principal índice das ações brasileiras avançou 1,27 por cento, a 64.218 pontos. O giro financeiro do pregão foi de 5,5 bilhões de reais, abaixo da média diária de cerca de 6,7 bilhões de reais em 2011.

A alta do Ibovespa ganhou fôlego no final do pregão, descolando o índice das bolsas norte-americanas. Dow Jones e Standard & Poor’s 500, da Bolsa de Nova York, recuaram 0,34 e 0,12 por cento, respectivamente, afetados pela precaução dos investidores antes do relatório de emprego dos Estados Unidos, que será divulgado na manhã de sexta-feira.

Na quarta-feira, a preocupação com a atividade econômica em desaceleração nos Estados Unidos provocou uma forte aversão a risco e derrubou o Ibovespa em quase 2 por cento, junto com outros ativos como commodities.

Isso não se repetiu nesta quinta-feira, com queda de 1 por cento do índice de volatilidade da CBOE e permitiu que muitos investidores levassem a cabo a estratégia mais otimista que já defendiam nos últimos dias.

“A gente observou à tarde uma entrada, um fluxo de compra, ainda que com volume fraco, aproveitando pechinchas”, disse Rossano Oltramari, analista-chefe da XP Investimentos.

Dados da BM&FBovespa revelaram que o capital externo já vinha se interessando mais pelas ações brasileiras em maio, com entrada líquida de 2,9 bilhões de reais no período.

Na virada do mês, relatórios de várias instituições –como BTG Pactual, Credit Suisse e Banif– apontaram para a expectativa de uma inflação mais branda e de uma política monetária mais previsível para justificar a compra de ações.

A alta desta quinta-feira foi generalizada, mas favoreceu especialmente papéis ligados à atividade doméstica, como Hypermarcas, com ganho de 5,03 por cento, a 15,65 reais, e Brookfield, com valorização de 4,91 por cento, a 8,55 reais. Pão de Açúcar, que sofreu nos últimos dois dias com as divergências entre os principais acionistas, encontrou mais espaço para subir e disparou 6,4 por cento, a 66,29 reais.

Entre os papéis mais líquidos, Vale PNA subiu 0,52 por cento, a 44,71 reais, e Itaú Unibanco ganhou 0,96 por cento, a 35,76 reais. Petrobras PN destoou, em queda de 0,21 por cento, a 23,95 reais.