Marfrig dispara quase 15% após resultados

Rossi e OGX também operam com ganhos; Senado italiano alivia temporariamente as pressões nas bolsas

São Paulo – O Ibovespa busca nesta sexta-feira encerrar a semana no azul. O principal índice da bolsa chegava a valorizar 1,5% na máxima deste pregão, aos 58.193 pontos. Mesmo assim, o desempenho do índice desde a última segunda-feira ainda é negativo em aproximadamente 1%.

Por enquanto, os principais mercados do mundo registram ganhos com a notícia de que o Senado da Itália aprovou uma nova lei de Orçamento nesta sexta-feira, abrindo caminho para a aprovação final do pacote na Câmara Baixa, no sábado, e para a formação de um governo emergencial que substitua o primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

As medidas de austeridade e reforma, com o objetivo de ajudar a economia e reduzir a enorme dívida pública do país, vieram após exigências de outras nações europeias por uma ação urgente para restaurar a confiança do mercado nas finanças públicas italianas.

/libc/player/liquid3.swf

Marfrig 

O último pregão da semana reserva atenções às ações ordinárias do Marfrig (MRFG3). Os papéis do frigorífico são destaque de valorização do Ibovespa, com alta de 14,1% na máxima do dia, negociados a 7,19 reais.

A empresa anunciou hoje que teve um prejuízo 687,2% maior no terceiro trimestre de 2011 em comparação com o mesmo período de 2010. O resultado passou para R$ 540,0 milhões, de R$ 68,6 milhões doze meses antes.

Em relatório de desempenho, a companhia atribui o resultado negativo principalmente aos efeitos não caixa da variação cambial entre 30 de setembro e 30 de junho deste ano.

Para os analistas do BB Investimentos, Henrique Koch e Thiago Gramari, o desempenho operacional da companhia surpreendeu positivamente. O relatório explica que os elevados custos de matérias-primas continuaram exercendo pressão, porém a forte evolução das vendas e a melhora na eficiência operacional contribuíram para o crescimento significativo das margens.

“Reiteramos nossa visão positiva em relação à maior participação dos produtos elaborados e processados do Marfrig, bem como sua estratégia de focar na redução das despesas fixas e aumentar a utilização da capacidade instalada, o que deverá seguir trazendo melhor para a geração de caixa”, explicam Koch e Gramari.

O relatório coloca em revisão o preço-alvo e a recomendação aos papéis do frigorífico e ressalta que a elevada alavancagem da empresa continua sendo um dos pontos que merecem atenção por parte dos investidores.

Em 2011, as ações ordinárias do Marfrig registram queda de 53%, enquanto o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, cai 15%.


Rossi

Com queda de 30% em 2011, as ações ordinárias da Rossi (RSID3) subiam 3,5% após a companhia apresentar lucro líquido de 96 milhões de reais para o terceiro trimestre, em linha com o esperado pelo mercado.

O resultado, ajustado por despesas não recorrentes, representa um aumento de 3 por cento sobre o ganho obtido um ano antes. A média de seis estimativas de analistas obtidas pela Reuters apontava lucro de 96,7 milhões de reais.

Sem considerar os ajustes, o resultado da companhia apresentou queda de 8 por cento, para 85,5 milhões de reais no período. Nos três meses até setembro, o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado da construtora e incorporadora somou 149 milhões de reais, alta anual de 13%, com margem de 19%.

OGX

As ações ordinárias da OGX (OGXP3) também operam no azul. Na máxima do dia, a alta chagava a 1,3%, com papéis negociados a 13,92 reais.

A empresa de petróleo de Eike Batista registrou prejuízo líquido de R$ 25,978 milhões no terceiro trimestre do ano, mostrando recuperação quando comparado com o prejuízo de R$ 202,292 milhões de igual período do ano passado.

No trimestre, a empresa obteve ganho financeiro de R$ 138,829 milhões, ante perda financeira de R$ 62,916 milhões na mesma etapa de 2010.