Marfrig cai e Usiminas sobrevive em semana caótica na Bovespa

Papéis do frigorífico desabaram 21% e os da siderúrgica subiram 5%

table.tableizer-table {border: 1px solid #CCC; font-family: Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 12px;} .tableizer-table td {padding: 4px; margin: 3px; border: 1px solid #ccc;}
.tableizer-table th {background-color: #104E8B; color: #FFF; font-weight: bold;}

São Paulo – As ações do frigorífico Marfrig (MRFG3) desabaram 21% em uma semana caótica para os mercados financeiros que levou o Ibovespa a um recuo de 10%, o pior desempenho desde novembro de 2008. No ano, a bolsa brasileira já acumula uma desvalorização de 23,6%.

A queda dos papéis do Ibovespa foi generalizada e apenas 3 conseguiram terminar o período em alta: Usiminas (USIM3) +4,95%, AmBev (AMBV4) +1% e Copel (CPLE6) +0,4%. Do lado negativo, além do Marfrig, os papéis que mais desvalorizaram foram: MMX (MMXM3) -18,7%, Gol (GOLL4) -18,08% e Fibria (FIBR3) -16,26%.

Usiminas

As ações da Usiminas subiram, apesar de ter apresentado uma forte queda em seu lucro líquido do segundo trimestre do ano. O lucro líquido ficou em 157 milhões de reais, muito abaixo dos 415 milhões de reais alcançados um ano antes.

A CSN disse na semana passada que continua a comprar as ações da Usiminas na bolsa. A empresa agora detém 10,84% das ações ordinárias da rival e 10,2% das preferenciais. Em 20 de abril, a CSN detinha 5,25% das preferenciais e 10,01% das ordinárias.

“A Companhia continua avaliando alternativas estratégicas com relação a seu investimento na Usiminas”, disse a CSN no comunicado, acrescentando que não possui opções ou contratos adicionais sobre as ações da rival.