Lucro da Rossi cai 30% e ações despencam

Mercado se surpreendeu com a redução de 78% na margem de lucro da empresa

O mercado reagiu com surpresa à queda de 30% no lucro líquido da incorporadora Rossi Residencial no primeiro trimestre deste ano. Os analistas não esperavam que os resultados da companhia caíssem de 29 milhões de reais nos três primeiros meses do ano passado para 20,3 milhões de reais neste ano, nem que a margem Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) fosse reduzida em 78,4%, para 4,8 milhões de reais.</p>

Com isso, as ações da companhia (RSID3) na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) despencaram, chegando a se desvalorizar 15,6% no pior momento do dia. No fechamento, os papéis eram cotados a 15,58 reais, em queda de 14,90%.

De acordo com um analista que prefere não se identificar, a Rossi está se mostrando aquém de suas concorrentes no que diz respeito a novos lançamentos. Dois grandes empreendimentos foram postergados, e não está claro o porquê do adiamento. “Se for devido apenas a problemas técnicos, não há motivos para preocupação. Mas se a questão envolver dificuldades de documentação, isso pode trazer prejuízos para a empresa”, diz o analista.

Além disso, a companhia adequou seu balanço às novas normas contábeis da Lei das S/A, e isso teve um impacto bastante forte sobre seus resultados. “A companhia está pagando um preço por ter ajustado suas contas. Outras empresas, como a Cyrela, ainda não fizeram isso e, como essa adequação tende a piorar os resultados, as empresas devem tentar postergar ao máximo os ajustes para não prejudicar as ações”, explica.

Na Bovespa, as ações da Cyrela (CYRE3) eram negociadas a 26,85 reais, em queda de 0,18%. Os papéis da PDG Realt (PDGR3) subiam 1,92%, para 27 reais, e os da Abyara (ABYA3) recuavam 2,06%, para 17,52 reais.