Inflação no Brasil e dados de atividade nos EUA em destaque

Na Europa, as atenções estarão concentradas na divulgação do PIB das economias que integram a Zona do Euro

São Paulo – A agenda econômica desta terça-feira reserva a divulgação de indicadores econômicos importantes, tanto no Brasil como no exterior. Na cena doméstica, o destaque vai para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e referente ao mês de agosto.

O indicador, previsto para ser publicado às 9 horas (horário de Brasilia), é utilizado pelo Banco Central (BC) para o acompanhamento dos objetivos estabelecidos no sistema de metas de inflação. A projeção da Gradual Investimentos é de um avanço de 0,35% na comparação mensal e 7,20% na anual.

O mercado também acompanha a publicação de outros índices de inflação. Às 8 horas, sai o IGP-DI (Índice de Preços – Disponibilidade Interna), que mede o nível geral de preços no país e é divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Também estão previstos o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) às 9 horas e a Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil às 9h30. Todos são referentes a agosto.

Na cena externa, os investidores em Wall Street acompanham a divulgação às 11 horas do ISM Services, o indicador do Institute for Supply Management que é considerado um termômetro do setor de serviços dos Estados Unidos. O consenso do mercado aponta para um recuo no índice de 52,7 pontos para 51 pontos na medição de agosto, segundo o site Briefing.

Europa

Os investidores acompanham às 6 horas a divulgação de dados preliminares sobre o Produto Interno Bruto (PIB) da Zona do Euro e de todos os países que integram a União Europeia. Segundo levantamento realizado pela Bloomberg, são esperadas as mesmas variações apresentadas no primeiro trimestre: +0,2% na margem e +1,7% no interanual, aponta a equipe de pesquisa do Banco Fator, liderada pela analista Lika Takahashi.

Na Alemanha, o mercado conhece às 7 horas o volume de pedidos feitos à indústria como todo, incluindo bens não duráveis.

Na Ásia, em especial na China e no Japão, não está prevista a divulgação de indicadores que possam ter impacto sobre as bolsas de valores. Já na Austrália, à 1h30, o banco central local anuncia sua decisão após a reunião de política monetária. A expectativa é que a taxa básica de juros seja mantida em 4,75% ao ano. A última alteração ocorreu em 2 de novembro de 2010.