Índices europeus atingem máxima recorde de 2 meses

A indicação da diretora do FMI, Christine Lagarde, para a presidência do Banco Central Europeu agradou o mercado e impulsionou as ações da zona do euro

Esperanças de que a indicada para presidir o Banco Central Europeu, Christine Lagarde, siga os passos ‘dovish’ de Mario Draghi impulsionavam as ações da zona do euro para máxima em mais de um ano nesta quarta-feira e fortaleciam ações defensivas.

Às 8:10 (horário de Brasília), o índice FTSEEurofirst 300 subia 0,78%, a 1.544 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhava 0,79%, a 392 pontos, tocando seu nível mais alto desde o final de julho do ano passado.

O índice de blue-chips da zona do euro STOXX ganhava 0,8%, nível mais alto desde meados de junho do ano passado.

Ações defensivas, de alimentos e bebidas, imobiliárias a empresas de serviços públicos e saúde impulsionavam o mercado, conforme os investidores buscavam por rendimento em meio a expectativas de que a taxa de juros permanecerá muito baixa por mais tempo com Lagarde no comando.

Se aprovada pelo Parlamento europeu, Lagarde sucederá Draghi quando seu mandato expirar no final de outubro.

Os rendimentos dos títulos da zona do euro caíam para novas mínimas recordes na esteira das notícias. As ações bancárias , que tendem a sofrer em um ambiente de taxas de juros baixas, mostravam um desempenho mais fraco com alta de 0,4%.

Em Londres, o índice Financial Times avançava 0,78%, a 7.618 pontos.

Em Frankfurt, o índice DAX subia 0,68%, a 12.612 pontos. .

Em Paris, o índice CAC-40 ganhava 0,68%, a 5.614 pontos.

Em Milão, o índice Ftse/Mib tinha valorização de 1,57%, a 21.729 pontos.

Em Madri, o índice Ibex-35 registrava alta de 0,89%, a 9.364 pontos.

Em Lisboa, o índice PSI20 valorizava-se 0,58%, a 5.179 pontos.