Índices caem com impacto do desastre no Japão

Companhias que têm exposição no país e a indústria nuclear tiveram as maiores perdas

Nova York – Temores sobre o impacto econômico do devastador terremoto e tsunami no Japão dominavam Wall Street nesta segunda-feira, com volatilidade esperada para os próximos dias.

“O mercado está claramente centrado no Japão”, disse Peter Kenny, diretor-gerente da Knight Equity Markets em Jersey City, New Jersey. “É o horror do número de mortos e, secundariamente, o que isso significa para a demanda global.” A crise nas usinas nucleares do Japão afetadas pelo terremoto gera dúvidas sobre as perspectivas de crescimento da indústria.

As companhias que têm exposição ao Japão e a indústria nuclear tinham as maiores perdas. A General Electric , que combinou operações nucleares com a Hitachi, caía 2 por cento. As ações do Shaw Group caíam 16 por cento.

As companhias de seguros com possível exposição ao Japão também tinham queda. As ações da seguradora norte-americana Aflac recuavam 2,8 por cento e a AIG perdia 1,2 por cento.

Às 11h34 (horário de Brasília), o índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, caía 0,8 por cento, para 11.947 pontos. O índice Standard & Poor’s 500 caía 0,91 por cento, a 1.292 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq perdia 0,77 por cento, para 2.694 pontos.

A bolsa do Japão fechou com recuo de 6,2 por cento, com investidores preocupados com os efeitos do desastre sobre a economia.

As ações japonesas listadas em Nova York também caíam. A Toyota Motor, que disse que suspenderá a produção em todas as fábricas japonesas, depreciava-se 5,3 por cento.